Pular para o conteúdo principal

Jean Piaget e o estudo da inteligência no microscópio

Sir Jean William Fritz Piaget, mais conhecido como Jean Piaget foi um biólogo, mas imergiu-se na área da Psicologia, Epistemologia e Educação. Nascido em Genebra, completou seu doutorado aos 22 anos e lecionou Psicologia na Universidade de Genebra de 1929 a 1954. Piaget já era considerado um garoto prodígio desde os nove anos, haja vista sua conclusão de doutorado tão prematura. Ainda em 1919, Piaget viaja para Paris para publicar seus primeiros artigos sobre crianças quando trabalhou no Instituto Jean-Jacques Rousseau.

Imagem: Reprodução

 Jean Piaget é considerado um dos mais importantes estudiosos da Psicologia, considerado por muitos como o Einstein da Psicologia da Inteligência. Por ter tido uma vida longa, morreu aos 83 anos, tem um volume vastíssimo de obras, tendo escrito, mais ou menos, 80 livros. O autor criou o que chamou de Epistemologia Genética, teoria que trata do desenvolvimento da inteligência e da construção do conhecimento. Epistemologia seria, segundo os teóricos, a filosofia da ciência. Seu estudo durante toda a vida foi em busca de respostas de como o homem constrói o conhecimento, progredindo durante as fases de um estágio para outro. Para o autor, inteligência subdividia-se em duas classes: função e estrutura. Enquanto função, a inteligência é adaptação; o processo foca na inserção do indivíduo ao meio, e enquanto este se adapta, modifica-se e transforma o meio para melhor desenvolver-se. Enquanto visão estrutural, inteligência baseia-se na organização de processos do conhecimento, sendo complexo ou não, o que afetará diretamente o estágio da criança ao organizar o acúmulo de conhecimento que se adquire ao longo do tempo, sendo mais relevante reorganizar as ideias que propriamente amontoar informações.

O educador construiu ao longo das décadas de estudo, vários conceitos relevantes até os dias atuais, o que torna obrigatório elucidar alguns para melhor compreensão de sua relevância filosófica e científica. O primeiro conceito é o de assimilação. Piaget retira este conceito da sua vertente biológica e basicamente significa interpretar as informações que o meio te oferece por intermédio da relação que o indivíduo cria com algum objeto, por exemplo, e esta informação fica clara por conta da organização. Acomodação, segundo conceito relevante, é perceber e modificar sua estrutura mental para compreender a singularidade de cada objeto que a criança tenha contato. Equilibração é justamente o equilíbrio entre compreender a informação passada pelo meio, entender a singularidade que determinado objeto lhe informa e manter-se estabilizado e organizado mentalmente. Abstração empírica é extrair as informações de um objeto de conhecimento refletindo como relacionar-se com ele, abstração reflexiva é justamente as informações retiradas das reflexões tomadas com esse objeto de conhecimento, é pensar como o indivíduo age diretamente com ele.

Talvez a teoria mais famosa de Piaget seja o conceito de Estágio. Para ele, inteligência não se dá por uma linearidade acumulativa de informações e sim por uma escala gradativa de estágios do desenvolvimento humano. Esses estágios seguiam uma ideia de escada evolutiva, onde não se podia pular sequer um degrau, visto que o avançar dependia das informações básicas de cada processo para se alcançar níveis superiores. O autor definiu três grandes estágios: Sensório-motor (0 a 24 meses), pré-operatório (02 a 07 anos), Operatório (07 anos em diante), no operatório há uma subdivisão entre operações concretas (7 a 11 ou 12 anos) e operações formais (11 ou 12 anos em diante).

O primeiro estágio para Piaget é riquíssimo, pois a criança já apresenta riquezas de informações que serão essenciais para o seu desenvolvimento. Para ele é a inteligência prática, pois não interage com a linguagem e sim com suas ações por meio das suas percepções. A questão do surgimento semiótico, ou seja, a linguagem, marca a passagem para o estágio pré-operatório. E é justamente aí que se percebe um dos principais lemas piagetianos: a inteligência é anterior à emergência da linguagem, “não se pode atribuir à linguagem a origem da lógica, que constitui o núcleo do pensamento racional” (Coll e Gillièron, op. cit.). A passagem de estágio evidencia que a qualidade da inteligência avançou, ou melhorou. O alcance desse estágio deixa clara a percepção que a criança tem de um objeto através de outro, por exemplo, o reconhecimento que ela tem de sua imagem refletida no espelho. Esse reconhecimento mostra que o indivíduo percebeu que, apesar de seu corpo estar do lado oposto ao espelho, sua figura reflete no objeto mesmo não estando lá, e isso só acontece no estágio pré-operatório. No período operatório concreto, o egocentrismo típico do estágio anterior dá lugar a uma interação, pela urgência que a criança tem em estabelecer relações e coordenar pontos de vista diferentes. Ele define ação interiorizada reversível como um dos pontos perceptíveis do atingimento deste estágio. O conceito é simplesmente o idealizar de uma determinada ação, porém, antes de praticá-la, o indivíduo recua desta ação, por isso reversível. Nas operações formais a criança já trabalha com todas as possibilidades devido a sua vivência. A diferença entre este estágio e o anterior está na compreensão de fatos extremamente lógicos, mesmo que pareça absurda uma hipótese, ela usará a lógica para articular suas ideias e definições sobre as coisas que lhe rodeia.

Sem dúvida alguma Piaget marcou o estudo da inteligência no mundo inteiro por seu pioneirismo de ideias e percepções, que mais tarde ganharam afirmações no campo científico. Jean Piaget e suas teorias servem como base tanto para professores, psicólogos e pais. Sua rica e vasta obra coloca-o como um dos principais nomes da Educação no Ocidente nos últimos séculos de estudo.  

Bibliografia:
Jean Piaget – Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jean_... - Acesso em 15 de março de 2016 às 12h00
O desenvolvimento humano na teoria de Piaget – Disponível em http://www.unicamp.br/iel/site/alun... - Aceso em 15 de março de 2016 às 12h15

Cássio Miranda é estudante de Letras e escritor nas horas ociosas. 

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…