Pular para o conteúdo principal

Nunca seremos primeiro mundo

Ao contrário do que muitos pensam, não são só as questões econômicas que qualificam um país como primeiro mundo, certamente a economia estável e crescente é um forte ponto para a qualificação no ranking, mas não é só isso. O Brasil sempre foi um forte candidato à promoção, do terceiro para primeiro mundo, devido a características geográficas e econômicas potenciais. Porém algumas questões sociais, culturais e educacionais assolam nossa nação, dificultando a cada ano esse acontecimento, que mais parece um sonho distante.

Imagem: IstoÉ
Alguns países que integram a cúpula do primeiro mundo cultivam ações e costumes intrínsecos. A própria população cresceu com as respectivas ideologias que os diferenciam principalmente dos chamados países de terceiro mundo, como o Brasil. Um exemplo é a Alemanha, que é a quarta maior economia do mundo atualmente, e está em 13ª posição lugar no ranking de melhor educação, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Entretanto, o que mais chama a atenção nesse país é exatamente o comportamento geral dos cidadãos, os valores que carregam e como são expostos em situações cotidianas. Em uma grande fábrica automotiva alemã, valoriza-se uma bonita ação de gentileza. No início do expediente, os funcionários que chegam mais cedo, estacionam seus carros nas vagas que estão fisicamente mais longe do saguão da fábrica, pois acreditam que ao fazer isso contribuirão para que seus colegas que sofrerem uma eventualidade não cheguem atrasados para cumprir seu horário. É quase impossível visualizar essa cultura inserida em nosso país, de modo geral o povo brasileiro não é muito solícito, transborda egoísmo e falta de educação em diversas situações do dia a dia. E o famoso jeitinho brasileiro? Essa “técnica” utilizada para resolver problemas pode refletir em nosso futuro, não podemos esquecer que os nossos políticos são cidadãos brasileiros, ou seja, são fruto da nossa sociedade e nossos costumes.

Voltando o foco para a educação, o Brasil ocupa o 60º lugar no ranking da OCDE. Ficando apenas a frente de alguns países Africanos, como Gana (na última colocação) e África do Sul (penúltima), na pesquisa entraram 76 países. Um grande exemplo de sucesso na área educacional é a Suíça, que ocupa a 8° posição e apresenta um grande potencial de crescimento. Os suecos estão em busca de resultados e estão alcançando os países que seguem no topo da lista, como os cinco primeiros: Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

Os resultados de uma educação adequada estão diretamente ligados aos benefícios econômicos que produzem. A pesquisa da OCDE revela que havendo aumento de estudantes escolarizados com o nível básico de conhecimento, há também um aumento significativo no PIB dos países. Se o Brasil conseguir escolarizar com qualidade todos os estudantes de 15 anos até 2030, acarretará um aumento de 16,1 % do PIB anual pelos próximos 80 anos.


A situação política e econômica atual do Brasil não é favorável para que consigamos atingir os respectivos números. Logo, a junção da imaturidade sociocultural com a impossibilidade do avanço efetivo no nível da educação nacional, nos remete à dificuldade da evolução brasileira. A chegada ao primeiro mundo é apenas mais um dos diversos mitos criados para encobrir a real situação estrutural do país. Nunca serão!

Por Rafa Alexander

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…