Pular para o conteúdo principal

Autor curitibano publica obra baseada em grandes escritores da fantasia

No último dia 08, o autor Diego Binkowski – D. S. Binkowski – lançou seu primeiro trabalho, o livro “Os senhores do tempo – A espada, o espelho e o relógio”, nas Livrarias Curitiba. A obra, que leva o gênero aventura-fantasia, conta a história do adolescente Thiago, um mago meio elfo, que juntamente com seus quatro amigos desaparecem em meio aos lados obscuros do império de Hiskalnaríh, no mesmo instante uma guerra política assola a região. Diego contou ao Recorte Lírico quais foram suas influências e como ele enxerga o mercado editorial atual, além de seus planos futuros na carreira literária.

RL – Queremos saber um pouco de você, da sua formação e carreira.

Diego – Sou formado em História e quero começar uma nova graduação. Penso em cursar Letras, Direito ou Ciências Sociais (risos), estou um pouco indeciso quanto a isso. Há pouco tempo resolvi sair do meu emprego em um banco, para me dedicar exclusivamente à carreira literária. Eu estava deixando de participar de muitos eventos e quando o “O senhores do tempo” foi pulicado decidi entrar de cabeça na carreira de escritor.

Foto: Recorte Lírico

RL – Como foi a criação do livro “Os senhores do Tempo – A espada, o espelho e o relógio”? Ele é uma saga, e terá continuação?

Diego – Eu tenho muitas influências de três principais autores, do Tolkien, J.K. Rowling e principalmente da obra “As crônicas de Nárnia”. O livro é ambientado em um universo novo, o mundo eu mesmo criei e inclusive tem um mapa anexo no livro. A história conta a jornada de Thiago e seus amigos, apesar dele não ser um herói é o protagonista da obra, ele é um anti-heróie foi inspirado em Dead Pool (risos), só que sem falar palavrões. Assim como nas minhas referências eu tenho um mago, mas ele não é nada parecido com Gandalf ou Voldemort,o criei inspirado muito mais em Merlin. A história de “Os senhores do tempo” é para o público juvenil e procurei utilizar uma linguagem simples para tentar alcançar o máximo de pessoas possível, de diferentes faixas etárias. Sim, ele é uma saga e já tenho conteúdo pra mais quatro livros que espero lançar como continuação.  

RL – Você lançou sua primeira obra recentemente, como vê o mercado literário?

Diego – Sinceramente, eu acho que a literatura hoje é muito comercial. Ela não visa à construção de um ideal ou caráter. Tanto o publico leitor, quanto as editoras estão buscando obras biográficas que ainda não foram vividas, por exemplo, simplesmente pra poder ter uma rentabilidade. Como os livros dos Youtubers, que têm algumas páginas escritas e o restante são apenas fotos. Então, eu concluo dizendo que a literatura hoje está sendo desvalorizada.

Diego Binkowski e parte da equipe do Blog. Foto: Reprodução
RL – Na construção das personagens, você inseriu alguma característica pessoal? Algo de sua personalidade?

Eu acredito que não, mas por outro lado é impossível escrever uma historia e não colocar algo da própria personalidade. Todos eles têm muito de mim, eu me acho muito parecido com um personagem chamado Syller, ele é um elfo jovem, quieto, tímido, inteligente (risos) e inclusive fisicamente elaborei ele parecido comigo.

RL – Como foi o processo de publicação do seu livro? O seu contato com a editora?

Diego – Eu enviei os manuscritos para treze editoras e recebi resposta positiva da Editora Verus e da editora Chiado. Eu optei pela Chiado, porque ela é uma editora portuguesa e pela oportunidade que me daria de publicar meu livro em outros países de língua portuguesa como Portugal, Angola e Cabo Verde. Ela demorou dois meses para enviar a resposta e na verdade eu já tinha até esquecido do livro quando recebi o contato.

RL – Além das influências diretas que você teve com Nárnia, Senhor dos Anéis e Harry Potter, quais outros autores você gosta de ler?

Diego – Quando eu era adolescente, minha mãe lia muito Sydney Sheldon e foi aí que eu comecei a ler literatura estrangeira. Depois, eu tive minha fase Agatha Christie e eu achava que não conseguiria ler nada mais além dela, recentemente comecei a ler Dan Brown que me atraí muito pelo fato de usar elementos históricos, o que tem a ver com a minha formação.  Gosto muito dos clássicos também, a poesia do Fernando Pessoa e seus heterônimos e Charles Bukowiski.

Da Redação                                            

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…