Pular para o conteúdo principal

Litercultura terá oficinas gratuitas durante o festival

Foto: Reprodução
O Litercultura 2016 está com a programação repleta de atrações para leitores e para quem já se aventurou ou pretende se aventurar na literatura. Além da programação oficial, a Programação Parceira possibilita um mergulho mais profundo na diversidade dos gêneros literários. Desde 2015, as oficinas da programação paralela do Litercultura são organizadas pela Esc. Escola de Escrita. A novidade deste ano é que todas elas acontecerão na sede da Escola, no centro de Curitiba. A programação começa na próxima quinta, 25/08, às 9h, com aulas abertas, oficinas e bate-papos. Ainda é possível fazer a inscrição para as atividades. Confira a programação abaixo:

25/08, 9h | Literatura Quebradiça, cadê o gênero, com Julie Fank
Faz sentido falar em gênero, em fronteiras, em divisões formais quando o assunto é literatura pós-moderna? Quando o assunto é experimentação, a criação literária é a forma mais permeável ao intertexto, ela se vale da colagem, da música e da própria literatura para produzir ressonância. É intertexto, hipertexto, arquiteto, intratexto, metalinguagem. Ela quebra e é desmontável para se reorganizar a partir de outra perspectiva e possibilitar diferentes interpretações. Quebradiça porque frágil ou porque em pedaços? Esse é um dos fios da nossa discussão.

25/08, 10h | Panorama da Literatura Erótica não-tão-recente, com Vinicius F. Barth
Nesta aula, faremos um breve panorama do que poderíamos designar como Literatura Erótica no ocidente. Para isso partiremos da Antiguidade Clássica Greco-Latina, em exemplos retirados da poesia lírica, da épica e do romance, e traçaremos alguns paralelos com a literatura romântica, moderna e contemporânea, deslizando por linhas que vão desde Sacher-Masoch a Glauco Mattoso, de Sade a Chico César. É bastante coisa para uma aula só, mas vale o aperitivo.

25/08, 11h | Romance: arquitetura da subjetividade, com Cezar Tridapalli
Quando a gente começa a escrever, os tropeços acontecem. E, antes de encarar a corrida que é escrever um romance ou uma narrativa de mais fôlego, há muito o que aquecer. Principalmente, quando esse é o nosso primeiro livro – ou nossa primeira história. Comentaremos sobre o experimentar de processos e impasses na tecedura de um romance, desde a investigação do sujeito-autor, as inquietações e incertezas que o movem, o objeto literário a que se propõe escrever e as nuances da criação, daquelas mais tangíveis até os mistérios da subjetividade do autor.

26/08, 9h | Escrita Dramática, com Marcelo Bourscheid
A escrita, a interpretação e a encenação do texto dramatúrgico na contemporaneidade exige uma constante reinvenção do trabalho do dramaturgo em sua conexão com os demais criadores. A partir de um diálogo da teoria e da prática, abordaremos as relações entre dramaturgia, encenação e interpretação nas artes cênicas contemporâneas, com foco na escrita de dramaturgia para as artes da cena (teatro, dança e performance). Se você se interessa por escrita para teatro, não perca.

26/08, 10h | Argumentação em tempos de cólera, com Guida Bittencourt
Eu argumento, tu argumentas. Você está convencido disso? Pois bem. Então está na hora de olhar pra esse processo devagarinho. Nesta fala, despertaremos reflexões produtivas sobre as interações linguageiras, a validação do interlocutor, a adesão, persuasão, a figura dos envolvidos na interação e os afetos.

26/08, 11h | Voz e performance, com Michelle Pucci
A partir da união das habilidades do teatro e da vocalização de texto, na busca da voz de Manoel Carlos Karam, falaremos sobre a voz, a performance a transformação do texto escrito em texto em cena e a importância da consciência da nossa voz neste processo. Quer um aperitivo? Dá uma olhada.

26/08, 12h | Introdução à mitologia, com Hertz Wendel
Nos pilares da nossa formação judaico-cristã, ainda que involuntariamente, lá estão a mitologia greco-romana, a Bíblia e Shakespeare. Por trás do subtexto de um texto, há sempre uma recorrência a essas narrativas fundamentais. De onde elas vêm? Como elas funcionam? E de qua malha tudo isso faz parte? Falaremos sobre isso.

27/08, 9h | A crítica literária multiplataforma, com Yuri Al’hanati
E a crítica hoje? Onde está? Com os jornais em reinvenção e o alcance cada vez maior das redes sociais, a lógica se inverteu e o youtube tomou conta. Para saber um pouco mais sobre quem são, o que comem e o que pensa a nova geração de críticos é que propomos este bate-papo.

27/08, 10h | Filosofia para quem escreve, com Daniel Medeiros
A essência das coisas está onde tudo começou: nas perguntas. Antes de tudo, nas perguntas. Mas não é em qualquer pergunta. O questionamento como condição humana, as perguntas e as respostas míticas, as perguntas filosóficas. É disso que saem os grandes diálogos. Ficcionais ou não. E se você escreve, a filosofia é um dos pilares fonte de toda a concepção da narrativa. Até porque toda narrativa é, fundamentalmente, uma intriga que se desenrola sobre uma questão não ou mal resolvida.

27/08, 11h | Crônica aqui e agora, com Luís Henrique Pellanda
A crônica nasce no momento da popularização da imprensa, no século 19, na Europa, onde os folhetins e os rodapés tinham grande prestígio. Mesmo no Brasil, desde essa época, ela contou com autores de peso. Aos poucos, começou a despontar entre os textos de vários escritores, se consagrou na literatura brasileira e agora aparece em destaque por aí nos meios de comunicação. E é a partir deste gênero tão próximo da gente que a gente encerra nossas aulas abertas.

*esta programação está sujeita a alterações.
Ingresso: um livro por oficina
Local: Rua Riachuelo, 427, no Centro
Inscrições: Clique no link http://migre.me/uHIxF I Feito isso, você vai receber um e-mail no dia 22/08 com a sua confirmação.
Informações: contato@escoladeescrita.com.br | 41 3114 7100. 

Da Redação
Fonte: Bem Paraná

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…