Pular para o conteúdo principal

Bienal de Quadrinhos de Curitiba tem críticas a distribuidora

Por quatro dias, Curitiba foi a Woodstock dos quadrinhos brasileiros: de quinta-feira até este domingo (11), a cidade foi sede da Bienal de Quadrinhos de Curitiba, antiga Gibicon, e reuniu cerca de 60 quadrinistas, muitos do primeiro time nacional: Jaguar, Laerte, Marcello Quintanilha, André Dahmer, Adão, Allan Sieber e muitos outros, além de presenças internacionais, como de Joan Cornellà, Power Paola e Troche.

A curadoria apostava em debates para relacionar os quadrinhos com a situação social do Brasil, e houve vários – mas também ficou clara a insatisfação generalizada que cerca as editoras de todos os tamanhos em relação à distribuição das obras e publicações nas livrarias e bancas do País.

Foto: Recorte Lírico
Em uma mesa que reuniu cinco editores que publicam quadrinhos no Brasil, a distribuidora Dinap – que virou Total Express e desde 2007 tem o monopólio de distribuição de publicações – foi o grande alvo das críticas. “O governo permitiu um monopólio. Existe só uma distribuidora, e esse fato tornou o mundo de revistas um tédio no Brasil”, diz o editor da Veneta, Rogério de Campos. “A Dinap está em crise”, apontou o editor da Mauricio de Sousa Produções, Sidney Gusman. “E também não existe um plano B no Brasil. Se ela quebrar, não temos alternativa, no outro dia não tem distribuição de revistas.”

Em outro encontro que também juntou editores, dessa vez de editoras menores, também se lamentou o fato de os quadrinhos independentes não conseguirem mais chegar às bancas com força, como acontecia no passado. “Não foram os editores que sumiram das bancas, nem as bancas que fugiram dos editores”, afirmou o editor da Marsupial, Lucio Luiz. “A concentração do mercado ficou de tal jeito que eles, da distribuição, definem as regras do jeito que querem.”

Outro encontro disputado foi com a cartunista Laerte, que comentou o momento político conturbado do Brasil. “A marca de uma sociedade atuante nos anos 1980 eram os sindicatos, e agora me parece que os trabalhadores têm sido deixados de lado”, afirmou. Comentando que a ingenuidade perdeu território, ela lembrou da época da revista Chiclete com Banana. “Eu no Los Tres Amigos fiz questão de fazer uma personagem drag queen. Eu não sabia que era trans, ainda era nebuloso, mas sabia que era gay. Meus quadrinhos sempre abriram meu caminho.”

Em uma mesa para celebrar o Pasquim – uma das poucas coleções completas do semanário está em Curitiba, na Gibiteca – Jaguar, de 84 anos, fez o auditório do Museu Municipal de Arte chorar de rir com histórias e causos, e não se furtou a comentar sua recente demissão do jornal O Dia, depois de 30 anos de colaboração.

“Foi um e-mail e nem foi dirigido a mim: foi ao meu contador, que eu nem conhecia pessoalmente, ele mora em Niterói. Ele repassou o e-mail para a minha mulher e eu fiquei sabendo”, contou. “É uma situação engraçada, porque tive um grande alívio. Todo dia, há 60 anos, tenho que fazer uma p… de charge”, brincou. “Agora, vou passar uns dias na Europa, em Portugal, suspender a dieta, tomar uns vinhos. Se sobreviver, vamos ver como é que fica.”

Matéria: IstoÉ
Da Redação

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…