Pular para o conteúdo principal

O pacto com o diabo, Curitiba e a vida literária em um romance: Conheça Diogo Rosas G.

O Recorte Entrevista dessa semana entrevistou o jovem autor Diogo Rosas G., que acaba de lançar pela editora Record o livro "Até você saber quem é". Diogo, que é curitibano - mas mora em Lisboa em função diplomática -, conversou com o blog Recorte Lírico e nos contou um pouco sobre a produção criativa das personagens, falou sobre o Brasil do passado, no qual é ambientado a obra, e revelou suas preferências e inspirações literárias, brasileiras e estrangeiras. Foi uma conversa agradabilíssima e você confere agora com exclusividade. 

Foto: (Acervo Pessoal/Reprodução)

RL – Queria que fizesse uma síntese sobre sua obra. A personagem principal, o Daniel Hauptmann, é um pouco de Diogo?

Diogo – Creio que eu e Daniel Hauptmann, meu protagonista, compartilhamos um temperamento fortemente melancólico, mas descontado esse fato importante, temos pouco em comum. O arco de vida que começa com uma juventude brilhante e atormentada, passa pelo sucesso fulminante no mundo das letras e culmina em homicídios múltiplos - isso sem contar outros incidentes que não desejo mencionar para não estragar a história - não se parece em nada com minha trajetória até agora. Tive uma infância comum e feliz, uma adolescência vulgar e, adulto, converti-me em um vagabundo (no sentido etimológico do termo, "errante", "que não para em lugar algum"), retraído e melancólico. Aos 35 anos - no meio da vida - me vi perdido e resolvi escrever um romance. No tempo que me resta, pretendo escrever outros livros e morrer em paz com Deus, sem matar ninguém.

RL – Como diplomata e tendo vivido em tantos outros países, a Curitiba retratada no livro é muito mais saudosista? Talvez mítica?

Diogo – Daniel Hauptmann vê Curitiba pelos olhos de Diogo Rosas G, isso é claro. Uma década mais velhos do que eu, nos primeiros anos da idade adulta ele e seu melhor amigo, Roberto Schmidt, se movem pela cidade que explorei na infância e na adolescência. Creio que, nesse sentido, o romance possui uma alta carga memorialística, transparente a todos, mas particularmente forte aos leitores curitibanos. Por outro lado, em "Até você saber quem é", Curitiba é mais do que um simples aglomerado de ruas e edifícios; ao longo da narrativa cada um dos amigos projetará sobre ela significados e memórias que a retiram do terreno da geografia física e a colocam em outro plano, daí a expressão "Curitiba mítica".

RL – É notório que Guimarães Rosa é uma grande influência em sua formação como leitor. Quais outros autores te influenciam, ou influenciou, na construção de “Até você saber quem é”?

Diogo – Prefiro não falar em influências sobre o livro, pois qualquer nome mencionado seria tão superior a mim que, de certa forma, eu estaria me apropriando de suas qualidades por associação. Dito isso, no período em que escrevi "Até você saber quem é" mergulhei muito intensamente em algumas leituras  - Hemingway, Eça, os diários de MirceaEliade, Homero. Me parece legítimo afirmar que, de alguma maneira, elas compuseram a atmosfera em que o romance foi criado. 

RL – Sem fazer pesquisa ou mesmo traçar diagnósticos, o diabo é pouco utilizado na literatura brasileira. A inserção dessa personagem em sua obra veio por essa falta? Explique!

Diogo – Trata-se de um paradoxo, e meu romance foi construído em cima desse paradoxo. Sem dúvida, a figura do Demônio foi muito menos aproveitada no Brasil do que nas grandes literaturas nacionais europeias. No entanto, o maior romance jamais escrito em nosso país - o "Grande Sertão: Veredas" -, talvez o único à altura das obras-primas daquelas civilizações culturalmente tão ricas, trata precisamente... do Coisa Ruim. Ao perceber esse cenário - algo como uma esplêndida catedral gótica incrustada no meio de uma vila de pescadores - Daniel Hauptmann decide ir além, dobrar a aposta e construir um enorme castelo, superando e lançando sombra sobre a obra do diplomata mineiro.

O problema é que a catedral de Rosa guardava um segredo que o jovem curitibano - atormentado e genial - terminou por descobrir para sua própria ruína. No fim, Daniel constrói seu castelo, alto, imponente e dominador. Para sua surpresa porém, o castelo já possuía um senhor, o próprio Demônio, que, aliás, talvez tenha apenas mudado de endereço. 

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…