Pular para o conteúdo principal

Escritoras exaltam o poder feminino na literatura

As mulheres estão conquistando cada vez mais espaço, como, por exemplo, na política, na economia, nos esportes e, principalmente, na literatura. As talentosas Cora Coralina, Clarisse Lispector, Adélia Prado, Rachel de Queiroz, entre tantas outras, ficariam orgulhosas com a nova safra de escritoras que estão surgindo no mercado editorial.


Rita de Queiroz é uma delas. Com o intuito de assegurar um lugar ao sol no cenário literário, ela organizou a “Confraria Poética Feminina”. Publicado pela editora Penalux, o livro é uma coletânea de poemas escritos exclusivamente por mulheres baianas. “O objetivo é, sobretudo, promover o encontro entre as poetas e transpor a voz feminina e nordestina, principalmente baiana, através da poesia desta reunião”, diz Rita. 
  
Imagem: Domínio Público
– As mulheres durante muito tempo foram censuradas, ignoradas e esquecidas. A obra visa dar oportunidade para que esta voz se espalhe, dissemine, seja, afinal, ouvida – reforça.

Outra nova autora que pretende reforçar o time feminino na literatura é a escritora Marianne Galvão, de 25 anos. Natural de Acari (RN), ela está lançando o livro de poesias inéditas “Tempo do Tempo: as estações do coração”. A proposta é falar de diversos assuntos indo do amor romântico entre duas pessoas e o amor próprio até pensamentos soltos sobre o cotidiano.

Marianne diz que todo o seu trabalho é inspirado nos sorrisos e nos momentos felizes da vida. Ela deseja, por meio da sua obra, ajudar a melhorar o dia de alguém com a poesia. “Eu sei que boas palavras melhoram nossa mente e até nosso semblante, mesmo que indiretamente”.

Já a escritora Letícia Palmeira segue um viés mais explosivo e irônico sobre a vida no livro “A obscena necessidade do verbo”. Diante de um título sugestivo, a autora promove a apologia máxima à comunicação, à expressão e à literatura como algo fundamental ao ser humano.

Por meio de um fluxo constante de conversas com sua consciência, a qual ela chama de Lucélia, Letícia usa a obra para transmitir que todos nós precisamos nos expressar a fim de expurgarmos o que é tóxico para, assim, podermos nos apropriar do que nos faz bem. Ela ainda mostra a importância da presença do “outro” em nossas vidas. Como o próprio livro explica, “pois, somente através do outro eu provo o quanto existo”.

Não importa o gênero literário, uma antologia, um livro de poemas ou uma novela, as mulheres merecem destaque na literatura. Que possamos ouvir mais as vozes e os anseios femininos para, dessa forma, podermos pensar numa sociedade mais justa e igualitária.


Fichas técnicas:
Imagem: Reprodução
Título: Confraria Poética Feminina
Autores: Rita Queiroz (Org.) Andréa Mascarenhas; Érica Azevedo; Marilene Oliveira de Andrade; Ilza Carla Reis; Jacquinha Nogueira ;Clarissa Macedo ;Josimere dos Santos Brazil; Eva Dantas; Adna Couto; Marcela Soares; Juliana Nogueira; Ana Carolina Cruz de Souza.
Publicação: 2016
Tamanho: 14×21 cm
Páginas: 263 p
Preço: R$40,00
Link para comprar: 
http://www.editorapenalux.com.br/loja/product_info.php?products_id=432 

Título: Tempo do Tempo: as estações do coração
Autor: Marianne Galvão
Gênero: Poesia
Publicação: 2016
Tamanho: 14×21 cm
Páginas: 110
Preço: R$ 32,00
http://www.editorapenalux.com.br/loja/product_info.php?products_id=450

Título: A Obscena Necessidade do Verbo
Autor: Letícia Palmeira
Gênero: Novela
Publicação: 2016
Tamanho: 14x21cm
Páginas: 66 p
Preço: R$32,00
Link para comprar:
http://www.editorapenalux.com.br/loja/product_info.php?products_id=426

Fonte: Portal Sopa Cultural (Redação).

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…