Pular para o conteúdo principal

Jacques Fux, vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, participou do Recorte Entrevista desta semana.

O Recorte Entrevista dessa semana teve o prazer de conversar com o autor Jacques Fux, 39, vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura (categoria de autores com menos de 40 anos) e que participou na última semana do Litercultura, em Curitiba. O escritor mineiro falou sobre suas referências literárias, a relação com as obras clássicas, a produção criativa dos seus recentes trabalhos ("Antiterapias" e "Brochadas - Confissões Sexuais de um Jovem Escritor"), entre outros temas. Conversa exclusiva ao blog Recorte Lírico, e você confere agora!


Foto: Alexandre Rezende/Folhapress
RL – Você venceu o Prêmio São Paulo de Literatura na categoria “autor estreante” com a seguinte alegação do júri: “pela intensidade dramática, pelo olhar arguto e pela prosa poética com que arregimenta sua narrativa, a obra é uma grata novidade no cenário atual da nossa produção literária”. Acredita que sua obra de estreia na ficção sintetiza o que a literatura contemporânea exige dos escritores modernos?

Jacques  Acho que não. A literatura contemporânea é bastante diversa e híbrida. Temos que buscar novas formas de expressão, de linguagem, de intertextualidade e de releitura dos clássicos. Também acredito que minha literatura seja um pouco diferente: os contemporâneos brasileiros, creio, são muito sisudos, muito sérios e, por vezes, herméticos. Eu busco o lúdico, o chiste, a brincadeira, porém com rigor literário. É muito difícil fazer rir com qualidade literária, mas é isso que busco. 

RL – Você coloca Borges como uma das suas principais referências literárias. Como a leitura desse autor, que é clássico – e que afirma em “História Universal da Infâmia” que o escritor une histórias alheias – influenciou sua produção literária?

Jacques  Eu considero Borges um dos mais inventivos escritores de todos os tempos. Além disso, ele sabe, como ninguém, fazer uso da história e teoria literárias para criar ficção. Eu também tento buscar nos clássicos, nos contemporâneos, e em todas as áreas do conhecimento, motivos e argumentos ficcionais. Quero e preciso criar, inventar, ludibriar e jogar com os leitores, como os grandes escritores já fizeram.

Foto: Alexandre Rezende/Folhapress
RL – Em algumas entrevistas você define o seu segundo livro, “Brochadas - Confissões Sexuais de um Jovem Escritor”, como a ‘’’Ilíada’ da impotência”. Qual sua relação com a literatura clássica, seja como leitor ou escritor.

Jacques  Acho muito importante ler e reler os clássicos. Estudar, investigar, descontruir e reinventar os grandes livros. Vejo isso como mais uma possibilidade literária e artística.

RL – Por ser formado em matemática, e logicamente ter uma cabeça mais lógica, facilita o processo de suas produções literárias, no quesito do pragmatismo editorial, com o foco no consumidor final?

Jacques  Não acho que essa minha formação ‘exata’ influencie nessa busca por vendas e por mercado. Acho que o escritor, hoje, não pode se dar ao luxo de apenas escrever. Tem tanta coisa sendo feita (e tanta coisa boa) que é simplesmente impossível esperar que alguém descubra sua obra e, então, divulgue seu trabalho. Cabe ao autor a difícil tarefa de escrever um bom livro, e, mais difícil ainda, ir à luta para divulgar seu trabalho. Eu acredito na qualidade literária dos meus livros, e esse meu desejo (enorme) de ser um escritor me faz correr atrás do meu sonho. 

Da Redação

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…