Pular para o conteúdo principal

Paralimpíada ou Paraolimpíada? O professor Sérgio de Carvalho Pachá explica.

Imagem: (Comitê Internacional Paraolímpico/Reprodução)
É certo o grande sucesso que as Olimpíadas atingiram nessa edição no Rio de Janeiro, e, para o comitê brasileiro, as Paraolimpíadas estão conseguindo ainda maior repercussão, devido à quebra de recordes de medalhas. Mas um fato tem protagonizado nas manchetes dos principais jornais do país, qual a grafia correta: Paralimpíada ou Paraolimpíada? O Comitê Internacional Olímpico tem recomendado “Paralimpíada” por motivo de padronização entre os países de língua portuguesa. A TV Globo, por exemplo, tem seguido a recomendação, porém a Folha segue “relutante ao erro”. Para tentar esclarecer, o professor de Língua Portuguesa Sérgio de Carvalho Pachá divulgou sua opinião a cerca do tema, e o blog Recorte Lírico, por comungar com sua opinião, compartilha para os seus leitores ficarem ainda mais esclarecidos.

PARALÍMPÍADA OU PAROLIMPÍADA?
Já dIziam os Antigos que a salvação está no distinguir -- IN DISTINCTIONE SALVS. Distingamos, pois.
Numa palavra como HIDRELÉTRICO, por exemplo, suprime-se uma vogal átona do prefixo HIDR(O)-, sem que o radical do mesmo, vale dizer, o núcleo significativo, fique desfigurado. E tanto isto é verdade, que o próprio dicionário HOUAISS acertadamente grafa o prefixo como eu o grafei acima, com a vogal O da última sílaba entre parênteses, para simbolizar visualmente a sua caducidade, vale dizer, a sua possibilidade de cair, ao combinar-se o prefixo com o radical do elemento que se lhe segue, como em HIDRELÉTRICO.
Tal não é o caso, porém, em PARALIMPÍADA, visto que o O suprimido não pertence à terminação do prefixo, como no exemplo acima, mas ao núcleo significante do vocábulo que se lhe segue, OLIMPÍADA, promovendo-se com isto uma amputação não apenas de um som -- a vogal O -- mas também do significado do substantivo a que se adjunge o prefixo, visto que LIMPÍADA nada significa em português.
Eis a razão por que faz inteiro sentido afirmar que o vocábulo PARALIMPÍADA é um aleijão léxico e semântico, inadmissível por carecer inteiramente de sentido. O bom português, o português de lei, exige PAROLIMPÍADA.

Professor Sérgio de Carvalho Pachá

Da Redação

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…