Pular para o conteúdo principal

As referências literárias de Renato Russo

Foto: Reprodução/Internet
Político, poeta, acionário e gênio, esse é Renato Russo, falecido há 20 anos. Depois de duas décadas da despedida de um dos maiores astros do rock brasileiro, a dor da perda entre os fãs ainda é gigante. Renato, que se destacava pelo refinamento estético e de conteúdo das suas composições, julgava-se nem ser “tão original assim”. É o que vemos em uma carta que o próprio poeta escreveu aos fãs, quando perguntado sobre o processo criativo artístico, o compositor indicou que “uma boa ideia, rapazes, é LER LIVROS”. Na carta, anexada abaixo, Renato Russo revelou suas principais referências literárias, e como homenagem e pesar à sua despedida, divulgamos agora a lista:

Foto: Divulgação/Internet
Foto: Divulgação/Internet

Os livros da lista:

Zen e a Arte de Manutenção de Motocicletas, de Robert Pirsig
A Montanha Mágica, de Thomas Mann
Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley
Histórias de Fadas, de Oscar Wilde
A Revolução dos Bichos, de George Orwell
Capitães de Areia, de Jorge Amado
Encontro Marcado, de Fernando Sabino
O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger
Discurso da Servidão Voluntária, de Etienne de la Boétie
O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien
Siddharta, de Herman Hesse
Demian, de Herman Hesse
Narciso e Goldmund, de Herman Hesse
O Lobo da Estepe, de Herman Hesse
Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
Fundação, de Isaac Asimov
1984, de George Orwell

Outros autores:

Júlio Verne
Fernando Pessoa
Carlos Drummond de Andrade
Colin Wilson

Outros livros:

O Vampiro Lestat, de Anne Rice
Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva



Por Cássio Miranda, editor do Projeto Recorte Lírico. 






Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…