Pular para o conteúdo principal

Carta de Brás Cubas a Machado de Assis



Para Machado de Assis,

Primeiramente, antes de começar minha crítica avassaladora a esse autor que tentou reproduzir minha vida. Ou minha morte? Talvez, a vida após a morte, dirijo minha palavra a você, querido leitor, que duvidou da minha capacidade de sucesso. Se você não sabe, leitor, exerci a função de crítico literário, não fui muito reconhecido, pois essa foi mais uma de minhas desventuras que não levaram a nada.
Agora, quero a sua atenção Machado de Assis. Vou enumerar aqui uma sequência de erros e equívocos que cometeu na elaboração da obra “Memorias Póstumas”. O primeiro objeto que merece minha observação é a sua prepotência literária e egoísmo quanto ao estilo. Como pôde escrever uma obra na qual expõe uma vida medíocre e de insucessos, como a minha, para a obtenção do seu próprio sucesso? Com a sua ânsia de escrever bem para agradar não sei quem, provavelmente me inseriu na escola literária errada. Queria eu, apenas, casar, ter um amor profundo, sofrido e romântico. Sim, romântico, Machado. O estilo que tanto criticou, mas que por acaso foi o início de sua carreira e que lançou-te na vida literária. Hipócrita!
E o orgulho? Ah, o orgulho machadiano. Esse deveria ser o nome que intitula os estudos, posteriores a sua vida, da psicologia. Esse orgulho que te fez desejar escrever o marco do realismo, e ainda usando a minha imagem para isso. Só porque você dividiu a história da literatura brasileira, iniciou o realismo no país, presidiu a Academia Brasileira de Letras, foi considerado um dos maiores escritores da língua portuguesa de todos os tempos, não quer dizer que foi uma personalidade maior que eu. Nada se compara ao meu emplasto, Machado. Por acaso você já criou algum remédio para curar uma doença fatal? Não, nem eu. Pois, você me fez morrer antes, antes da felicidade, antes do reconhecimento e de ter filhos. Claro, Machadão - eu queria ter filhos, afinal, você nunca me perguntou nada sobre.
Finalizo, deixando meus pêsames por sua morte, fomos dois homens de sucesso, quais a morte tirou-nos o reconhecimento do trabalho árduo. Você nem tanto, digamos que nós somos lembrados, mas de forma diferentes, um com mais prestígio que o outro.
Por fim, aqui do outro lado, percebo que você não foi tão cruel assim comigo. Deu vida e sucesso a um ser inútil como eu, e hoje, pelo menos, posso ser lembrado.
Pensando bem, minha crítica a você se transforma num gigantesco obrigado.

Ass.: Brás Cubas

Reginaldo Faria interpretou Brás Cubas no cinema. (Foto: Reprodução/Globo Filmes)

Resposta de Machado a Brás cubas

Amabilíssimo personagem,

Confesso que não finalizei a leitura de sua carta, pois paralisei no primeiro erro de pontuação. Mesmo assim, desejo sorte em sua carreira de crítica literária póstuma, aproveite bem que tem tempo de sobra, procure corrigir sua gramática e atualizar sua linguagem. Os tempos mudaram, Brás. Fica à dica, parceiro.

Abraço, Machado.

Texto escrito por Rafael Alexander e Aline Ribeiro. 

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…