Pular para o conteúdo principal

Jovem cuiabana publica primeiro livro por meio de edital de incentivo à cultura

A jovem escritora Rafaella Elika lançou seu primeiro livro, o Me Literatura, com apenas 21 anos. Vencedora de um edital de incentivo à cultura da Prefeitura de Cuiabá, a jovem conversou com o Blog Recorte Lírico e nos confidenciou suas motivações literárias, defendeu os editais culturais e cobrou maior divulgação, e ainda falou sobre os principais temas de sua coletânea de contos. 

Rafaella estreia no mercado editorial. (Foto: Gilberto Leite/Reprodução)
RL – Poderia fazer uma breve síntese dos temas presentes em seus contos?

Rafaella – O livro expõe de modo cru inúmeros fatores que podem eventualmente acontecer dentro de um relacionamento interpessoal, como flertes, paixão, desentendimentos, expectativas sufocadas, rancor, assassinato, indiferença, interesse superficial e desinteresse.
Tudo pode acontecer entre duas ou mais pessoas, somos seres humanos diferentes, ímpares, logo o livro expõe algumas das incontáveis possibilidades de histórias que podem acontecer entre duas ou mais de duas pessoas, algumas fictícias ou não, quase sempre muito reais para falar a verdade.

RL – Você fala, sobretudo, de relacionamentos interpessoais. A falta dessa aproximação nos dias atuais foi uma motivação para a construção das narrativas?

Rafaella – Através de minhas observações creio totalmente que sim, o ser humano, não só hoje como antigamente, nunca conseguiu e não consegue se expressar de uma forma íntegra e clara. Somos repletos de jogos, rancor, orgulho e desconfiança, esses comportamentos são uma obstrução dentro da relação, independente de qual seja ela, logo nos desaproximamos cada vez mais, tendo entre nós cada vez mais uma indiferença crescente, uma frieza, uma mágoa inflamada que a qualquer momento explode e põe tudo a perder, deixando as pessoas machucadas e exaustas emocionalmente. É um vício comportamental que nossa humanidade tem.

RL – Acredita que o atual mundo líquido, como teorizou Zygmunt Bauman, onde nada funciona para “durar”, é motivado principalmente pelas redes sociais? Fala sobre isso em algum dos seus contos?

Rafaella – Não concordo totalmente que a motivação principal seja as redes sociais, pelo contrário, acredito que essa ascensão tecnológica tende a melhorar nossos relacionamentos nos aproximando cada vez mais de quem não está próximo fisicamente e até de quem mora conosco, pois podemos estar interligados 24 horas por dia somente ligando o wifi ou um 3G no celular, mas claro que uma moeda tem dois lados, acredito que depende exclusivamente de nós mesmos não tornarmos nossos relacionamentos obsoletos e líquidos. Usarmos as redes sociais de forma consciente é uma tremenda arma que deve ser usada corretamente para revertermos esse jogo da obsolescência emocional.

RL – Você publicou o seu livro através da contemplação de um edital de incentivo à cultura. Para você, qual o tamanho da importância desses editais e a interferência do poder público para a movimentação cultural no país?

Rafaella – Toda. Definitivamente toda a importância! O poder público tem na mão inúmeras oportunidades que devem ser distribuídas para a população, pois no meio dela existem artistas com talentos imensuráveis que só precisam de uma oportunidade. Na minha opinião, os concursos culturais devem continuar acontecendo com regularidade anual ou semestral e devida divulgação para que todos tenham ciência.

RL – Por fim, quais influências, literárias ou não, você recebeu como leitora, e agora como escritora?

Rafaella – De início como leitora foi e são até hoje minhas principais influências Machado de Assis e Edgar Allan Poe, não desconsiderando outros escritores como Friedrich Nietzsche, Cruz e Sousa, Álvares de Azevedo e Olavo Bilac.
A música também sempre foi um fluxo de inspiração muito forte em minha vida, mas são tantos os músicos que só de lista daria um romance. Mas os principais são The White Stripes, minha banda preferida, Amy Winehouse, Lana Del Rey, Chopin e Queens of the Stone Age, fora toda a irreverência com que Eminem rima e as ideologias esperançosas de Tupac que também sempre me deram força e sagacidade.
O cinema também é fortemente presente em meu estilo de escrita e absolutamente apreciado por meu lado de leitora e observadora, gosto muito de filmes mindblowin, clássicos, atuais, estrangeiros, animações, animes, absolutamente tudo que tenha uma boa história e acorde minha escritora interior.
Não só literatura, música e cinema, como as outras artes também me influenciam indiretamente, a dança, o teatro, a pintura. Sou uma artista, logo, toda manifestação artística mantem minha chama acesa.

Contatos da escritora Rafaella Elika Borges:
E-mail: rafaelika1@hotmail.com
Whats App: (065) 99808-0883
Instagram: rafaelikab
Facebook: Rafaella Elika Borges

Da Redação

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…