Pular para o conteúdo principal

Poesia medieval de hoje: o Trovadorismo moderno – por Luciano Chaves Jr

Você sabia que todo movimento literário da tão linda, esplendorosa e magnífica literatura portuguesa é uma contraposição ao movimento anterior? Pois é. Agora, se cada um existiu por conta de um anterior, como se formou o primeiro? É sobre ele mesmo que falaremos aqui, meus amigos: o Trovadorismo. É no mínimo curioso pensar em uma origem ao primeiro movimento literário português, sendo que não havia um anterior ao qual pudesse se opor. Acontece que o Trovadorismo, quando formado, não tinha a intenção de forma-se um movimento literário, muito menos de se opor a nada. Vamos à história.

Na idade média, predominava-se sobre Portugal o galego-português, idioma adquirido no comércio com os árabes, na península ibérica. O povo gostava de cantar para expor suas emoções, sentimentos. O que cantavam? As trovas, poesias com melodia, acompanhadas de instrumento e, obviamente, voz. A grande maioria das poesias não era escrita, por ser comum da população analfabeta.O mais interessante são as divisões de assuntos, em quatro classificações: cantigas de amor, de amigo, de escárnio e de maldizer. O Trovadorismo não era um movimento de oposição, simplesmente por não ter a quê se opor.

Bom, sem mais delongas, vamos direto à herança do trovadorismo para a modernidade, que é, hoje nosso objetivo aqui. Vai funcionar assim: haverá a classificação, algumas características dessa classificação e uma canção moderna que passe os mesmo ideais da classificação da cantiga. Vamos lá:

Cantigas de Amor – Ah, as cantigas de amor. Se usássemos um termo bem atual para essa classificação de cantiga, usaríamos a "sofrência", rs. As cantigas de amor eram sempre de um amor idealizado, impossível. Imagine um camponês amando uma dama da realeza? Essa era a cantiga de amor. O maior representante das características trovadorescas em matéria de cantigas de amor é aquele que ganhou até um apelido sugestivo: Cartola, o Trovador do Samba. Seu timbre de voz, sua maneira apaixonada de cantar e decompor o consagraram no cenário do samba.
Vale a pena deixar aqui a letra de sua música mais característica em matéria de trovadorismo. "As Rosas não Falam", composta pelo próprio Cartola:

As Rosas não falam  Cartola

Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim

Queixo-me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai...

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhar os meus sonhos
por fim

Cantigas de amigo – Essa classificação de cantiga dá-se por sua característica um tanto quanto curiosa. Como já dito, as cantigas eram escritas predominantemente por homens, que eram aqueles que, em parcela, eram alfabetizados. As cantigas de amigo tinham o eu lírico feminino, e esse amigo era, como dizem os jovens de hoje, um crush, rs. Como as encontramos nos dias de hoje? Encontrei-as na belíssima obra de Chico Buarque. Aprecie:

Bastidores  Chico Buarque 

Chico Buarque
Chorei, chorei
Até ficar com dó de mim
E me tranquei no camarim
Tomei o calmante, o excitante
E um bocado de gim

Amaldiçoei
O dia em que te conheci
Com muitos brilhos me vesti
Depois me pintei, me pintei
Me pintei, me pintei

Cantei, cantei
Como é cruel cantar assim
E num instante de ilusão
Te vi pelo salão
A caçoar de mim

Não me troquei
Voltei correndo ao nosso lar
Voltei pra me certificar
Que tu nunca mais vais voltar
Vais voltar, vais voltar

Cantei, cantei
Nem sei como eu cantava assim
Só sei que todo o cabaré
Me aplaudiu de pé
Quando cheguei ao fim

Mas não bisei
Voltei correndo ao nosso lar
Voltei pra me certificar
Que tu nunca mais vais voltar
Vais voltar, vais voltar

Cantei, cantei
Jamais cantei tão lindo assim
E os homens lá pedindo bis Bêbados e febris
A se rasgar por mim

Chorei, chorei
Até ficar com dó de mim...

Chico Buarque representa o Trovadorismo moderno em suas composições. (Foto: Reprodução/Internet)
Cantigas de Escárnio e Maldizer: Essa é polêmica. Escárnio é uma maneira direta de criticar (satirizar) algo ou alguém, muitas vezes de maneira ambígua. Da mesma forma, as cantigas de maldizer são para criticar (satirizar) algo ou alguém, mas não usam de duplos-sentidos e sãoindiretas (estilo juventude anos 2010). Creio que um artista que mandou ver nesses quesitos foi, ninguém mais, ninguém menos que Raul Seixas. O lendário roqueiro brasileiro se destacava pelas polêmicas e pelas composições "expõe-verdades". Foi, com certeza, um dos artistas mais marcantes de sua época e das futuras, influenciando milhares de jovens. Ele se encaixa em ambas as características de cantiga. Eis aí duas composições do Raul:
Com traços marcados de cantigas de escárnio, zombando do Brasil e criticando os capitalistas estrangeiros, eis aí:

Aluga-se  Raul Seixas

A solução pro nosso povo eu vou dar
Negócio bom assim ninguém nunca viu
Tá tudo pronto aqui é só vir pegar
A solução é alugar o Brasil!

Nós não vamos pagar nada
Nós não vamos pagar nada
É tudo free,
Tá na hora agora é free,
vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar
Esse imóvel tá pra alugar

Os estrangeiros, eu sei que eles vão gostar
Tem o Atlântico, tem vista pro mar
A Amazônia é o jardim do quintal
E o dólar deles paga o nosso mingau

Nós não vamos pagar nada
Nós não vamos pagar nada
É tudo Free,
Tá na hora agora é Free,
vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar
Esse imóvel tá pra alugar

Nós não vamos pagar nada
Nós não vamos pagar nada
Agora é free
Tá na hora agora é free,
vamo embora
Dar lugar pros gringo entrar
Esse imóvel tá pra alugar


Carregada de maldizer, cantada de maneira tão explícita e clara que o nome da música tem o objeto da crítica/sátira, aprecie mais uma "pérola" de Raul:

Meu amigo Pedro  Raul Seixas

Muitas vezes, Pedro, você fala
Sempre a se queixar da solidão
Quem te fez com ferro, fez com fogo, Pedro
É pena que você não sabe não
Vai pro seu trabalho todo dia
Sem saber se é bom ou se é ruim
Quando quer chorar vai ao banheiro
Pedro, as coisas não são bem assim
Toda vez que eu sinto o paraíso
Ou me queimo torto no inferno
Eu penso em você, meu pobre amigo
Que só usa sempre o mesmo terno
Pedro, onde você vai eu também vou
Pedro, onde você vai eu também vou
Mas tudo acaba onde começou
Tente me ensinar das tuas coisas
Que a vida é séria e a guerra é dura
Mas se não puder, cale essa boca, Pedro
E deixa eu viver minha loucura
Lembro, Pedro, aqueles velhos dias
Quando os dois pensavam sobre o mundo
Hoje eu te chamo de careta, Pedro
E você me chama vagabundo
Pedro, onde você vai eu também vou
Pedro, onde você vai eu também vou
Mas tudo acaba onde começou
Todos os caminhos são iguais
O que leva à glória ou à perdição
Há tantos caminhos, tantas portas
Mas somente um tem coração
E eu não tenho nada a te dizer
Mas não me critique como eu sou
Cada um de nós é um universo, Pedro
Onde você vai eu também vou
Pedro, onde você vai eu também vou
Pedro, onde você vai eu também vou
Mas tudo acaba onde começou
É que tudo acaba onde começou

Pintura representativa do trovador clássico. (Imagem: Reprodução)

Sim, meu caro leitor; a literatura não morre, se transforma. Porém, mesmo transformando-se, é encontrada em suas formas originais, também. O maravilhoso disso tudo é que tais características perduraram até aqui, e serão eternizadas enquanto habitarmos esse mundo de maneira multiforme. Também, através de tais registros, podemos saber como era a sociedade da época, desde convívio até indignações e críticas feitas. O valor estético é grande, mas o valor histórico-social nos religa à sociedade da época, nos mostrando que os problemas e a indignação do povo já foiobjeto de luta de outras gerações, nos dando mais um motivo para continuarmos lutando por isso. Procure conhecermais sobre o mundo, e o mundo com certeza conhecerá você.

Por Luciano Chaves Jr., colunista do Blog Recorte Lírico.



Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…