Pular para o conteúdo principal

POP Nobel: Por que Bob Dylan não é digno do Nobel de Literatura - por Fabio Campana

O músico sofre forte rejeição da crítica quanto ao Prêmio Nobel. (Foto: Reprodução)
Confesso minha surpresa. Bob Dylan, músico e compositor pop, ganhou o mais prestigiado prêmio literário do mundo. Ora, pois, fico a pensar que há escritores que merecem mais do que Dylan essa glória e essa grana. Philip Roth, para dar um único exemplo. Bob Dylan ganhou antes os que correspondem ao que faz. Oscar, Grammy, Globo de Ouro e até uma citação especial do Pulitzer. Meus amigos pops, folks, punks e que tais vibraram com a novidade. Atribuem ao compositor qualidades de ativista revolucionário e de cantor que nada tem a ver com o que compreendo por literatura. Quando tentei ouvir, induzido pela contracultura nos anos 60, senti um ranço piegas que não suporto. Foi só. Eu não conheço o trabalho do Dylan que não é da minha família literária, musical, poética, política ou teatral. Sei que é um nome conhecido no mundo e pelas massas. Ora, pois, não estariam os suecos procurando dar ao prêmio uma extensão mais ampla nesta época de sociedades de massa e de alcances globais. Me dizem que até os aborígenes da Austrália sabem quem é Bob Dylan e conhecem suas baladas. Há críticos e acadêmicos com quem converso e que agora consulto que se apressam em me dizer que as qualidades do compositor ultrapassam os limites das simples letras populares. E para me sensibilizar juram que as canções folk de Dylan na década de 1960 misturavam o tom místico dos simbolistas franceses, Baudelaire e Rimbaud, com parábolas bíblicas e a poesia beat de Allen Ginsberg. Resisto e para o meu próprio consolo lembro que o Nobel não é um reconhecimento perfeito da literatura em nenhuma época. Não o deram a Borges por motivação política. E o deram a Pearl S. Buck, medíocre escritora, o que levou o genial Norman Mailler a cunhar, anos depois, uma frase antológica. "Os Estados Unidos foram vítimas de duas grandes tragédias, Pearl Harbor e Pearl Buck". Concordo e volto a ler Borges, que em uma página me diz mais que toda a cultura de meia confecção produzida para as massas nos úlimos cem anos. O que não me impede de cultivar um gosto depravado pelo jazz e pela nossa música popular. Digo mais, entre Dylan e Cartola, daria o Nobel ao Cartola. Agora, uivem.

Texto do jornalista e escritor Fabio Campana.

Da Redação


Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…