Pular para o conteúdo principal

Eneacampeão: O título dos torcedores alviverdes

Era 19 de dezembro de 1993, como bom baiano que sou, estava na frente da TV assistindo o clube que, mais tarde, ou talvez naquele exato momento, tornava-se o amor da minha vida... assistindo o Palmeiras! Era impensável acreditar que uma criança,com pouco menos de três anos, poderia transcender toda a pressão da torcida rival, sim, na sala, a minha família, apesar de torcer para o Bahia, vibrava a favor do Vitória – o que hoje me espanta – mas a justificativa da época era que o título seria do estado, entretanto com todos os empecilhos, o destino traçou-me uma missão na vida: Eu deveria ser palmeirense! O Edmundo, que naquela final marcou, na minha cabeça infantil, era o meu pai, e eu vibrava e gritava “vai papai” a cada toque na bola que o craque dava, como se a ausência do meu pai, naquele momento, fosse substituída pelos dribles produzidos no gramado do Morumbi. Tudo foi lindo, e verde. O título veio, a seca da conquista nacional também, assim como meses antes no Paulistão. Agora, o que viria realmente para ficar,era o amor incondicional pelo Palmeiras. Éramos campeões!

Foto: Reprodução/Sociedade Esportiva Palmeiras. 

Vinte e três anos se passaram, sem essa mesma conquista há 22, mas a saga dos títulos produzindo torcedores não mudou. Na efervescência da luta e da consagração alviverde, vejo o filho daquele menino, sim, porque ele cresceu e mudou, menos o amor pelo time do coração, e esse amor foi passado para o seu filho, assim como os torcedores sonham na música da arquibancada. Em um campeonato aonde a torcida lotou, cobrou, gritou, e agora, comemorou, pude fazer nascer mais um palmeirense, ou melhor, o destino quis que o eneacampeonato proporcionasse não só a consagração de um negro como o Jaílson, a despedida do Jesus, os passes do Moisés e as firulas do Dudu; o eneacampeonato proporcionou, e ainda proporcionará, o nascimento de milhões de palmeirenses Brasil afora. O Enea “veio aí”, e ele é da torcida!


Foto: Acervo pessoal. 

Por Cássio Miranda, editor do blog Recorte Lírico.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…