Pular para o conteúdo principal

Embaixador croata lança livro de poemas no Brasil

A poesia é um gênero literário que manifesta beleza, estética e harmonia em formas de palavras. Foi buscando expressar o sentimento de presença profunda e inebriante do ser humano que o escritor Drago Stambuk, ex-embaixador da Croácia no Brasil, apresenta sua nova obra “O mar não está mais”. 
A obra será publicada em dezembro pela Editora Penalux e conta com uma coletânea de poemas que evocam a imagem do mar, que está e não está, dentro de suas ondas eternamente em movimento, provocando a intensa sensação de presença enorme e viva, mas que logo desaparece.

Embaixador croata lança livros de poemas no Brasil. (Imagem: Divulgação)

        Segundo o autor, o principal objetivo dos poemas é perpassar por várias paisagens do mundo, assim como da própria Croácia, para edificar em todos os cantos a mesma sensação, costurada pelos oceanos.
        - A minha poesia é inconstante e profunda, mas, acima de tudo, viva. A ideia do livro é de estar e não estar, o movimento, a presença e a existência, o fluxo contínuo e humano da nossa realidade - reforça Drago.
        Para os editores Tonho França e Wilson Gorj, o estilo de Stambuk está em falta no mercado editorial brasileiro: “A poesia croata não é muito divulgada em nosso país. Essa obra será um incentivo para o intercâmbio cultural e, acima de tudo, literário entre Brasil e Croácia”, comenta a Editora.  
        Ao longo dos séculos, a poesia tem sido usada como forma de expressar os mais variados sentimentos e, no sentido figurado, este gênero traduz tudo aquilo que comove, sensibiliza e desperta sentimentos. A verdade é que a poesia só existe quando é plenamente compreendida. Para compreendê-la, é preciso um bocado de sensibilidade.

Sobre o autor:

Drago Štambuk nasceu em 20 de setembro de 1950, em Selca na ilha de Brač, Croácia. É médico gastroenterologista e hepatologista com formação na Clínica Médica Central em Zagreb. Serviu como embaixador da Croácia em diversos países, dentre eles, Reino Unido, Índia, Sri Lanka, Egito, Sudão, Jordânia, Kuwait, Líbano, Qatar, Iemen, Japão e Coreia do Sul, além do Brasil.  
Drago publicou mais de 50 livros de poesias, ensaios, florilégios e traduções. Possui três coleções de poesia em croata, inglês, árabe, espanhol, albanês, francês e japonês. Ainda participou de importantes antologias da poesia croata contemporânea. Recebeu inúmeros prêmios literários em seu pais, entre eles o “Dragutin Tadijanović”, concedido pela Academia de Artes e Ciências da Croácia.

Sobre o tradutor: 
Nascido em Porto Alegre (RS), José Eduardo Candal Degrazia é médico e escritor. Além de Štambuk, traduziu obras de Pablo Neruda, poetas latino-americanos e italianos. Degrazia recebeu prêmios por poesia, conto, teatro e tradução. Sobre poemas, publicou os livros “Lavra permanente”, “Cidade submersa”, “A porta do sol”, “Piano arcano” e “A urna Guarani”. Seus livros de contos são: “O atleta recordista”, “A orelha do bugre”, “A terra sem males” e “Os leões selvagens de Tanganica”. É ainda autor das narrativas longas “O reino de macambira” e “A fabulosa viagem do mel de lechiguana”.

Fichas técnicas: 
Título: O mar não está mais (And The Sea Is No More)
Autor: Drago Stambuk
Tradutores: Carolina Degrazia e José Eduardo Degrazia
Publicação: 2016
Tamanho: 14x21 cm
Páginas: 110 p
Preço: R$35,00
Link para comprar: http://www.editorapenalux.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…