Pular para o conteúdo principal

“Literatura não precisa viver longe do entretenimento”, diz revelação do suspense policial brasileiro

Quando se olha para o currículo de Raphael Montes, a lista de feitos do escritor não parece bater com sua idade. Aos 26 anos, o autor carioca, que também escreve roteiros para televisão e cinema, está lançando seu quarto livro. Jantar Secreto, aposta da Companhia da Letras para o fim de ano, conta a história de quatro jovens moradores da Zona Sul do Rio de Janeiro que, desesperados para sanar uma grande dívida causada por um deles, resolvem iniciar uma empreitada na alta gastronomia carioca. A peculiaridade está no cardápio: a carne humana é o principal ingrediente. O que poderia ser apenas uma solução rápida se transforma em um perigoso hábito que vai modificar definitivamente a vida de Dante, Victor Hugo, Miguel e Leitão, envoltos em esquemas de tráfico de corpo, higiene social e matadouros clandestino.

“A grande ferramenta das minhas histórias é o ser humano. Gosto de explorar a questão de que não existe o conceito de pessoas boas ou pessoas más. Os seres humanos são humanos em suas perfeições e imperfeições, em seus acertos e erros. Meus livros mostram pessoas comuns, em tese de bem, que, ao serem levadas a situações extraordinárias, cometem atos de atrocidade”, disse Raphael em entrevista ao Omelete na sede da Companhia das Letras, em São Paulo.

Rafael já contribuiu em séries como "Supermax", da Globo. (Foto: Reprodução)

Apesar da pouca idade, o autor já é considerado uma realidade dentro da ficção comercial brasileira. Aos 22 anos, teve seu primeiro livro publicado. Suicidas, que conta a macabra história por trás do suicídio coletivo de nove adolescentes em uma casa de praia no litoral do Rio, foi lançado em 2012, após ser pinçado em um prêmio para jovens talentos. “Escrevi Suicidas dos 16 aos 19 anos. Quando terminei o manuscrito, bati de editora em editora, até ser selecionado pela Benvirá. A publicação mesmo só veio três anos depois. O Suicidas não teve nenhum investimento grande de marketing, foi um crescimento contínuo pelo boca a boca até estourar em 2013”, comentou.

O livro de estreia garantiu uma vaga entre os dez finalistas do prêmio São Paulo de Literatura na categoria autor estreante. O reconhecimento chamou a atenção da Companhia das Letras, que abordou o autor para um novo projeto. Dias Perfeitos, uma história de amor obsessivo e paranoico entre o estudante de Medicina Téo e a jovem Clarice chamou a atenção de diversos escritores internacionais e rendeu a publicação da obra por prestigiadas editoras nos Estados Unidos, Espanha e Inglaterra e mais 11 países. No ano passado, a Suma de Letras publicou o terror O Vilarejo, que apresentou o trabalho de Raphael a um público mais jovem.

“Já tinha escrito e engavetado O Vilarejo, que destoava muito do que eu queria fazer na época do Suicidas. O legal é que ele atingiu um público diferente do Dias Perfeitos. Agora, estou percebendo que o Jantar Secreto está conseguindo pegar os dois públicos; tanto quem gostou de Dias Perfeitos pelo suspense cheio de viradas, um final surpreendente e  questões psicológicas, tanto quem curtiu toda a violência gráfica do Vilarejo”, disse.

Neste novo livro, Raphael mexe com um tema que povoa o imaginário popular há bastante tempo. Inspiração de diversas obras ao longo dos séculos, de Hans Staden a Silêncio dos Inocentes, o canibalismo também é fetiche e tabu dentro da cultura pop. As alusões ao icônico personagem interpretado por Anthony Hopkins são recorrentes, mas o autor revelou outras influências para o novo projeto.

“O Jantar Secreto claramente começa de um jeito e termina de outro bem diferente, é quase um livro 2 em 1. Até a página 150 temos uma comédia de erros bem ao estilo irmãos Coen, com uma crítica social forte e um humor característico. Depois vira um suspense, e no final termina com o terror. É passeio entre as possibilidades de história, gosto de mudar os gêneros dentro de um trabalho. O Tarantino tem um filme chamado Um Drink no Inferno, com uma virada no meio da narrativa, e eu estava com vontade de fazer algo parecido”, falou. Raphael também comentou sobre as influências dentro da literatura: “Acho que o Jantar Secreto tem muito de Chuck Palahniuk, com essa temática visceral. Se eu faço algo parecido com alguém, é com o Chuck. Aqui no Brasil, o equivalente é o Rubem Fonseca. Tento mostrar o pior lado do ser humano com um humor característico”, completou.

Autointitulado escritor policial, Raphael vêm se aperfeiçoando dentro do gênero. Além de contribuições para a série Supermax, da Globo, e Espinoza, da GNT, o autor apresentou recentemente com o roteirista e diretor Matheus Souza uma série policial para a Globo. Para ele, o momento é especial. “Os produtores de cinema e os canais de TV já perceberam esse crescimento. No romance policial contemporâneo é possível aproveitar traços de outras mídias ou gêneros para construir uma coisa nova. Ainda que os romances policiais de hoje em dia tenham os elementos clássicos de obras de Sherlock Holmes ou Agatha Christie, a questão é que, em vez de começar com o crime, ter uma investigação e no final ser revelado um criminoso, podemos embaralhar os elementos e inserir outras camadas, como uma releitura contemporânea.”

A cada novo livro, o autor consolida sua posição de grande figura do romance policial e de suspense na literatura brasileira. Porém, ele não poupa críticas para falar sobre o atual cenário da ficção nacional.  No ano passado, ele usou sua coluna semanal no jornal O Globo para criticar os escritores que fazem a chamada “literatura séria”. Um ano depois, o diagnóstico segue o mesmo.

“Qual foi a última vez que um livro de gênero foi premiado? O Silêncio da Chuva [do escritor do Luiz Alfredo Garcia-Roza ganhou [o Jabuti] em 1997. Desde então não teve mais nada? Ainda vivemos um ranço de que a literatura de gênero é algo inferior, feita somente para entretenimento. Alguns escritores já perceberam que terror, policial e fantasia, na medida em que trazem situações extraordinárias, permitem tratar justamente de assuntos humanos. A boa literatura não vive da distância absoluta do entretenimento. Eu tento ocupar esse espaço. O que quero fazer é contar uma boa história, e a partir disso discutir coisas que me interessam”, concluiu.

Serviço:
Livro: Jantar Secreto
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Preço: R$ 39,90

Fonte do texto: Omelete.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…