Pular para o conteúdo principal

ABL divulga manuscritos de Machado de Assis

Conhecer a letra de mão do autor dileto, acompanhar seu processo criativo, ver suas rasuras, personagens que trocaram de nome, ideias reformuladas. Para os leitores que estão se apaixonando agora por Machado de Assis (1839-1908), admiradores da vida toda, estudiosos que dedicam a vida a esmiuçar seus textos, a Academia Brasileira de Letras (ABL) está oferecendo em seu site (www.academia.org.br) os manuscritos digitalizados de parte de sua obra.

Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908), seus dois últimos romances, e o poema O Almada estão disponíveis desde dezembro. Os usuários podem olhar com a lupa digital as 825 páginas que contam a história dos gêmeos Paulo e Pedro, as 466 em que o Conselheiro Aires narra suas memórias e as 210 do “poema heroico-cômico em oito cantos”, este pouco conhecido, publicado na obra póstuma Outras Relíquias (1910).

ABL
Carta de Machado de Assis a Euclides da Cunha, felicitando-o pela eleição como imortal na ABL. (Foto: Divulgação)

São raridades que apenas os consultores do arquivo da ABL podiam conhecer. A demanda vinha de pesquisadores do Brasil e do mundo. “A digitalização atende tanto ao curioso, que se pergunta como o autor chegou a seu texto e como era seu trabalho, e que, assim, terá a oportunidade de perceber que é algo árduo, quanto ao público especializado”, disse o presidente da academia, Domício Proença Filho, professor, estudioso de Machado e autor de livros sobre ele.

“O teórico de literatura terá bastante material para trabalhar a chamada crítica genética, que investiga a origem do texto. O manuscrito permite o cotejo para se chegar à fixação do texto definitivo do autor que trouxe a literatura brasileira para a modernidade”, explicou.

Machado foi o escolhido para dar início à divulgação dos originais no site por ter sido seu fundador e primeiro presidente e por seu papel de pilar da literatura brasileira.

A academia não tem outros originais de livros do Bruxo do Cosme Velho. Ainda este ano, vai colocar online sua correspondência, que já saiu em livro. São cartas trocadas entre 1860 e 1908 com interlocutores diversos. Em Esaú e Jacó, Memorial de Aires e O Almada, existe a dificuldade de se entender a caligrafia de Machado (que era considerada de difícil compreensão por seus editores) sobre o papel envelhecido e sob a marca d’água da ABL, mas os obstáculos não tiram o encanto da experiência de se estar diante das folhas pelas quais passou seu tinteiro, e de poder observar a ortografia da época.

A análise dos originais é uma forma de dirimir dúvidas sobre um autor que teve edições controversas, pouco cuidadosas, que mutilaram algumas de suas criações.

A importância da fixação do texto é tamanha que foi formada, em 1958 – por ocasião dos 50 anos de sua morte e da entrada de sua obra em domínio público -, a Comissão Machado de Assis, no âmbito do então ministério da Educação e Cultura. A determinação foi do presidente Juscelino Kubitschek, em reconhecimento da baixa qualidade das edições dos livros do escritor. O filólogo e acadêmico Antônio Houaiss estava na comissão.

Criado no ano de 1943, o arquivo, dirigido pelo acadêmico José Murilo de Carvalho desde 2012, abriga acervos pessoais de todos os acadêmicos que já passaram pela casa, fundada em 1897 (cerca de 300) e ainda os patronos das 40 cadeiras – escolhidos então pelos fundadores. Dele constam fotografias, cartas, recortes de jornais, livros e outros documentos de praticamente todos os nomes mais importantes da literatura nacional, como Euclides da Cunha, Castro Alves, Bernardo Guimarães, Guimarães Rosa e João Cabral de Melo Neto.

Tudo está acondicionado no prédio anexo da ABL, junto ao histórico Petit Trianon, no centro do Rio. O arquivo passou por uma reforma e hoje ocupa uma área climatizada e resguardada de incêndios por um sistema que não utiliza água (o que poderia destruir os papéis), mas gás.

“O arquivo é antigo, mas ganhou importância mais recentemente. A longo prazo queremos que tudo esteja disponível. São 500 metros lineares de arquivo de texto, além do material audiovisual e iconográfico, num total de mais de 40 mil itens”, disse Carvalho.

Há acadêmicos que doam em vida seus acervos, na certeza de que terão o material preservado para a eternidade. O cineasta Nelson Pereira dos Santos vem fazendo isso, assim como o escritor Marcos Villaça, no passado recente. Entre os últimos falecidos, tiveram esse cuidado o poeta Ivan Junqueira, 1934-2014, e o jornalista Luiz Paulo Horta, 1943-2008. Outros documentos são entregues pelas famílias postumamente, contou o historiador.

“É uma opinião minha, compartilhada com outros acadêmicos: a única imortalidade que nós temos, e precária, está na biblioteca e no arquivo”, considera Carvalho.

Recentemente, a casa viu chegar os dos acadêmicos Rodrigo Octavio (1866-1944) e José Veríssimo (1857-1916), dois dos fundadores, que serão importantes para revelar detalhes dos primeiros anos – o escritório de José Veríssimo foi cenário das reuniões que precederam a fundação -, e do jornalista Austregésilo de Athayde (1898-1993). As atas das reuniões desses 119 anos da ABL futuramente também estarão na internet.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Da Redação.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…