Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017

Encontro com Borges, por Sergio de Carvalho Pachá

Para o Fernando Gomes e o Rui Almeida
Conheci Jorge Luis Borges pessoalmente, menos de um ano antes dele morrer. Foi à Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, convidado por dois departamentos, o de Espanhol e Português e o de Inglês, para fazer uma palestra em cada um deles (o homem era perfeitamente bilingüe, movendo-se com o mesmo à-vontade em inglês e castelhano). Depois de brilhantemente discorrer sobre tudo e nada em meu departamento, foi levado à sala dos seminários graduados para tomar café, comer bolo e entreter-se com os estudantes, entre os quais me encontrava. Quando pude aproximar-me e cumprimentá-lo, disse-lhe que sabia de cor seu soneto "A Luis de Camoens", que por muito tempo tivera diante de meus olhos, em minha mesa de trabalho, ao lado de outro soneto seu, "Los Borges", que eu não chegara a decorar. Sorriu e respondeu-me: "Éste ["Los Borges"] lo sé de memoria". E pôs-se a falar de seus maiores portugueses (de que ele trata…

Literatura e Cinema: Uma introdução à intermidialidade

LITERATURA E CINEMA: UMA INTRODUÇÃO À INTERMIDIALIDADE

Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs*

Umberto Eco, que, em vários textos, analisa o parentesco entre cinema e literatura, falando sobre a obra de Manzoni, em seu livro Seis passeios pelos bosques da ficção, escreve: “Não venham me dizer que um escritor do século XIX desconhecia técnicas cinematográficas: ao contrário, os diretores de cinema é que usam técnicas da literatura de ficção” (ECO, 1994, p. 77). Tal citação, ao mesmo tempo que menciona a ligação entre as duas artes, coloca a literatura como pioneira na utilização de recursos que serão, também, usados pelo cinema. É claro que isso se deve ao fato de a literatura ser muito mais antiga que o cinema, arte extremamente nova. Há autores que são radicais ao defenderem a supremacia da literatura em relação ao cinema. É o caso de José Martínez Ruiz, que afirma, categoricamente: “El cine es literatura, si no es literatura, no es nada” (CARDOSO, 2016). Essa citação desconsidera filmes q…