Pular para o conteúdo principal

'Estômago' apresenta Curitiba sob a perspectiva da culinária, da traição e da vingança

Resultado de imagem para filme estomago
Cena do filme "Estômago", do diretor Marcos Jorge. (Imagem: Divulgação)

O filme Estômago, dirigido pelo curitibano Marcos Jorge, apresenta, entre outros tantos assuntos relevantes, a comida. Tema tão corriqueiro em nosso dia a dia, que pelo mesmo motivo acaba passando um tanto despercebido quanto ao seu poder de influência em nossas vidas. O longa-metragem trás exatamente esse contexto. Raimundo Nonato (João Miguel) é um imigrante nordestino que tenta a sorte em Curitiba, que, diga-se de passagem, fotografa e contracena perfeitamente com os personagens, e por acaso do destino, vai parar na cozinha de um botequim em troca de alimento e moradia. O filme já apresenta aí contextos atuais quanto à dificuldade de firmar-se frente a um exílio regional, fato tão comum em nosso país. Ao desenrolar da trama, o novo ‘’cozinheiro do pedaço’’ faz muito sucesso com os seus quitutes e desperta o interesse de um grande empresário da culinária curitibana, para o qual começa a prestar serviços e desenvolver recursos ainda mais refinados em seus pratos. Entre as madrugadas frias e solitárias do sul do país, Raimundo conhece a prostituta Íria (Fabíula Nascimento, curitibana – nota-se aí a forte identidade regionalista do filme) com quem desfruta dos prazeres do seu corpo, enquanto a mesma é enfeitiçada por seus pratos suculentos e deliciosos. O filme é atemporal e mostra o cozinheiro encarcerado, mas sem deixar de praticar seus exercícios culinários, chegando até a preparar banquetes para chefes de milícias internas. O poder da comida, exílio regional, prostituição e características culturais do sul do Brasil são temas que envolvem brilhantemente o filme, que foi aclamado popularmente e inclusive recebendo grandes prêmios no Brasil e em partes da Europa. Estômago está aí para acabar com a ‘’mesmice’’ do cinema nacional e, também, de certa forma, provocar com a nossa fome. 

Ficha Técnica:
Data de lançamento 11 de abril de 2008 (1h 52min)
Direção: Marcos Jorge
Elenco: João MiguelBabu SantanaFabiula Nascimento, Paulo Miklos
Gênero: Drama
Nacionalidades ItáliaBrasil

Cássio de Miranda, o editor. 

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…