Pular para o conteúdo principal

"Jantar Secreto" empolga com narrativa envolvente

Quatro jovens deixam o interior do Paraná para viver o sonho de morar no Rio de Janeiro, se formarem e se tornarem grandes homens.
Dante, que trabalha em uma livraria, Leitão, o nerd sem vida social, Hugo, um chef de cozinha em busca de reconhecimento, e Miguel, um futuro médico, não contavam que uma dívida de aluguel iria mudar as vidas deles para sempre.
A saída para pagar os R$ 30 mil em dívidas é bizarra: elaborar um jantar secreto com a elite carioca e cobrar uma fortuna por pessoa. O prato principal? Carne humana ou “carne de gaivota”, como preferem chamar. As consequências dessa escolha movimentam o livro Jantar Secreto, escrito por Raphael Montes.

Resultado de imagem para jantar secreto raphael montes
Prato principal do jantar é carne humana. (Foto - Reprodução - Ana Branco/Agência O Globo)

Sem limites
A obra é mais do que atual ao mostrar jovens se virando e em situações limites para sobreviver. Ele mostra, da pior maneira possível, até que ponto uma pessoa é capaz de chegar para conseguir alguma coisa. E também que, uma vez dentro de algo ilícito e rentável, nem a pessoa mais honesta consegue sair com as mãos limpas.
A narrativa envolvente fica a cargo de Dante, o protagonista e, até certo momento, o mais sensato do grupo. Com ótimas tiradas e excelentes observações, ele conduz a história utilizando com sabedoria o cliffhanger – recurso popularizado por Hitchcock que deixa o espectador/leitor ansioso pela próxima cena ou capítulo de um livro.
O primeiro jantar, realizado ainda no início do livro, acontece em meio ao caos dos quatro jovens – e mais Cora, uma prostituta que namora Leitão.
Esse evento serve apenas como estopim para a situação que vai piorando a cada página e se torna uma das tantas reviravoltas que têm o livro.

Complexidade
Raphael constrói personagens complexos, que evoluem do início ao final do livro – e é um grande salto em relação a Dias Perfeitos, sua obra anterior.
A narrativa gráfica de algumas mortes pode até chocar em alguns momentos, mas, inserido naquele contexto, não se torna gratuita.
O formato e a história poderiam muito bem ter sido escritos por Joel e Ethan Coen. Há muito dos irmãos roteiristas nessa história e nas situações propostas, o que mostra que Raphael Montes é um escritor pronto já na sua terceira obra.
Resta esperar para saber qual outra ideia bizarra vai sair da mente do escritor, que já está escrevendo um novo livro.

Matéria de Isabela Vieira/Agência Brasil para A Tarde. 

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…