Pular para o conteúdo principal

Star Wars – O universo cinematográfico que ganhou o público literário

    Desde os anos de 1970 a magia das guerras estelares vem conquistando adeptos em todo o mundo. Mais especificamente no ano de 1977 nascia um dos filmes que deu início a franquia de maior sucesso de todos os tempos, Star Wars. O visionário produtor George Lucas, ainda jovem e no início de sua carreira, apostou todas suas fichas na produção desta longa metragem, o sucesso foi surpreendente e imediato. O novo fenômeno cinematográfico da cultura pop foi assistido em todo o mundo e sua repercussão originou mais dois filmes, O Império Contra-Ataca e O Retorno do Jedi, respectivamente 1980 e 1983.
            O que poucos sabem é que Star Wars foi lançado primeiramente em livros. Sim, George Lucas convenceu a editora Del Rey a publicar a novelização do roteiro apenas seis meses antes do lançamento do filme nos cinemas. Essa foi uma jogada inteligente de marketing que, de quebra, gerou uma vendagem impressionante de 500 mil cópias e deu um empurrão para o sucesso estrondoso do filme.
Star Wars é um dos maiores sucessos de bilheteria da história do cinema. (Foto: Reprodução/Internet)
            Enquanto a memória dos fãs da saga galáctica divagava sobre novos episódios, o mercado de quadrinhos e tiras de jornal abastecia o mercado com produtos de Star Wars. Mas foi em 1988 que o mundo literário da saga teve seu início, a editora Bantam conceituada na época, fez uma proposta à Lucas Film para publicar uma trilogia na qual continuariam as histórias dos personagens, como um universo paralelo. Após uma resposta positiva da produtora, a editora fez uma espécie de processo seletivo, no qual escritores de fantasia do mundo todo mandaram seus textos sobre o universo para serem avaliados, e o escolhido foi Timothy Zahn, um escritor já conceituado em nível literário e ganhador de prêmios como o Hugo Award. Nasce então a primeira obra do universo expandido de Star Wars a trilogia Trawn. Em pouco tempo observou-se que o sucesso dos livros foi imediato e ocupou o lugar de mais vendidos rapidamente. As obras Herdeiros do Império, O Despertar da Força Negra e Última Ordem deram início a um universo inimaginável nos padrões literários. A partir do lançamento de uma nova trilogia no cinema conhecida como trilogia de prequela em 1999 (Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma, Star Wars Episódio II: Ataque dos Clones e Star Wars Episódio III: A Vingança dos Sith) a produção de obras no universo Star Wars multiplicou.
Recentemente, com a venda dos direitos da saga para Disney, os livros que foram publicados anteriormente à negociação foram excluídos do cânone oficial, ou seja, já não fazem mais parte da história original de Star Wars, e são encaradas como meras lendas (Legends). O cânone oficial é formado por livros lançados recentemente e que tem a autorização da Disney para a publicação, além de séries animadas e o lançamento cinematográfico da saga o Episódio VII – O despertar da força.
Os livros que envolvem o mundo criado por Lucas somam mais de 100 títulos e deles 57 escritores responsáveis por criar um pequeno pedaço da saga. Então, considerados Legends ou canônicos os livros hoje são tão importantes quanto os filmes e movimentam a criatividade fomentando leitura em uma geração que está chegando.  O maravilhoso universo de Star Wars promete muito mais produções literárias, o cinema não para, e o mundo das artes vai crescendo em conjunto.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…