Pular para o conteúdo principal

Como esconder o clichê na hora de escrever

Quem gosta de escrever (profissionalmente ou não), já deve ter parado em algum momento do processo de escrita de um romance e pensado "será que isso é clichê?". Algumas pessoas se perguntam, porque realmente querem seguir o clichê, mas outras querem evitá-lo. Como leitora (e escritora), não apoio nem um, nem outro, mas acredito que pode-se usar a técnica da escrita para esconder possíveis clichês e não vomitá-los na cara dos leitores. Como muitas pessoas dizem: "tudo o que é feito escondido, é muito melhor".

Eu participo de um grupo no Facebook chamado "Sociedade Secreta dos Escritores Vivos" (link do grupo) e, certa vez, me deparei com essa imagem que haviam postado lá:

Imagem: Facebook/Reprodução
Se formos parar para pensar, de fato, já lemos muitos livros que seguem quase a mesma ideia proposta. Primeiro, criamos empatia com o protagonista, depois surge alguma aventura, o protagonista quer desistir, mas persiste. Em seguida, você fica angustiado pela dificuldade do protagonista em atingir seu objetivo e, por fim, quando ele finalmente consegue o que queria, a história acaba. Final feliz (ou triste, dependendo do romance). 

Há um vídeo extremamente interessante no YouTube intitulado como "What makes a hero?", no qual o narrador explica o que é que os heróis de Harry Potter, Jogos Vorazes e O Senhor dos Anéis tem em comum.


Esse vídeo explica exatamente como funciona o ciclo da jornada de um herói da ficção e ressalta, sobretudo, o clichê por trás dos três em questão, como todos seguem a mesma jornada, o mesmo ciclo.

Não que nós, leitores, não gostemos desses ciclos, porque se o herói, os outros personagens e o enredo forem cativantes, nós vamos ler com brilho nos olhos! Mas para os que escrevem e querem, talvez, fugir um pouco desse ciclo que se impregnou na literatura e inovar, um pouco de estudo é necessário.

Henry Bugalho — escritor, tradutor, editor e nômade curitibano, formado em Filosofia, com ênfase em Estética, especialista em Literatura e História — postou em seu canal do YouTube, que dá dicas de escrita, sobre quais são os 7 passos para se tornar um escritor, sendo o segundo passo o que mais nos interessa para o assunto desse post, que é o passo de estudar a escrita, na qual ele cita que você pode/deve usar técnicas de escrita, como a estrutura do romance analisada anteriormente, desde que você domine a escrita o suficiente para esconder essas técnicas e estruturas prontas.


Portanto, se você quer esconder o clichê e quer produzir algo aparentemente diferente, inusitado e inovador, estude a arte da escrita para dominá-la, pois assim você será capaz de esconder o ingrediente principal do bolo e nenhum paladar de leitor perceberá.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…