Pular para o conteúdo principal

Um olhar do paraíso é um olhar humanístico

Há um tempo, mais precisamente no fim do ano passado, minha esposa e eu resolvemos assistir um filme que, inicialmente, eu resisti e muito em vê-lo. Ainda bem que eu acabei aceitando. Trata-se do filme “Um olhar do paraíso”, dirigido pelo ótimo Peter Jackson - o mesmo de “The Hobbit” -, estrelado por Saoirse Ronan, Rachel Weisz e Mark Wahlberg, um elenco experiente, embora jovem. A narrativa nos traz elementos atuais, mas pouco falados, principalmente pelas artes. Susie Salmon é uma menina feliz, que ama fotografias e é apaixonada por um garoto na escola. Mantém uma vida simples e comum como todas as outras garotas da sua faixa etária. Aos 14 anos, ao voltar para casa, é abordada por um vizinho um tanto quanto silencioso no convívio público, que a seduz para uma espécie de casa de brinquedos em uma instalação no subsolo que ele mesmo fabrica em meio à plantação. Mal intencionado, o criminoso se recusa a liberá-la e interrompe sua vida de forma covarde e cruel. Um crime estarrecedor, como tantos outros visto mundo afora. Para evitar maiores spoilers, vale ressaltar que o homem tem uma ficha sujíssima, levando a óbito várias crianças por décadas e décadas. 
Resultado de imagem para um olhar do paraíso
O filme é protagonizado pela jovem Saoirse Ronan. (Imagem: Reprodução)
O mais interessante desse filme é como Susie, vítima de um brutal assassinato, reage a tudo isso. Logicamente o filme tem efeitos de realismo fantástico e isso coloca o filme em um patamar ainda mais elevado, pois trata a morte de uma forma muito peculiar para dar maior dimensão e imaginação ao espectador à beleza trágica do acontecimento. O que mais me chama a atenção no paralelo entre à arte e a “realidade” é a forma como tratamos os acontecimentos de pedofilia e assassinatos de crianças no país: de maneira totalmente superficial, muito embora o cenário engatinhe para uma mudança. Não que as crianças sejam humanos mais ou menos importantes que os demais, não é esse o norte do texto. O que o filme ilustra tão bem é o que vem acontecendo nos últimos anos em escala gigantesca no Brasil, e os criminosos ainda continuam impunes, na maior parte das vezes. No ano passado, quando vi o filme, ainda tava “fresco” em minha memória o acontecimento da prisão do ex-BBB Laércio Moura, acusado de aliciar e ludibriar jovens menores de idade para fins criminosos. O maior absurdo quando ocorrem esses crimes é o feedback de alguns “cidadãos” nas redes sociais, que, ao tratar o caso, preferem colocar em plano superior a aceitação ou não das vítimas e esquecem que o único culpado pelos atos horrendos é, e sempre será, o pedófilo. Esse caso não é o crime mais hediondo da história, mas serve bem para ilustrar uma realidade gritante no mundo inteiro.  
O filme nos põe em lágrimas. Mas o choro vai muito além de visualizar dezenas de crianças vítimas de um animal em um filme que é chocante. O filme nos direciona para o nosso próprio mundo, a nossa própria realidade, a nossa própria sociedade, a nossa própria vizinhança. Escrever sobre isso sendo pai é ainda mais doloroso, mas é necessário. Que possamos combater esse crime de forma mais efetiva nas esferas judiciais e que não venhamos mais nos calar frente a essas atrocidades cometidas, às vezes, de baixo dos nossos narizes e negligenciamos por fatores injustificáveis. Cuide dos pequenos e vigie os grandes. O alerta também é um dever artístico. Olho nos seus filhos, olho em nossas crianças.

Link sobre o caso do ex-BBB Laércio: https://goo.gl/xTioJk

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…