Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

Recorte Lírico abre concurso e receberá textos para lançamento da primeira edição de revista

Muitos brasileiros acreditam que o nosso país não produz arte como se deveria, ou talvez não na quantidade que merecíamos, se tratando de um país com proporções continentais. O Projeto Recorte Lírico, em função disso e apegando-se aos seus próprios lemas, construiu um espaço singular para se produzir arte, e é com muito orgulho que compartilhamos com todos a chegada da Revista Recorte Lírico, edição: Iluminar.
Esta próxima edição vai reiterar o que o projeto sempre se propôs a fazer: dar luzes aos novos autores, que em sua maioria acaba “matando” os seus textos nas gavetas da vida. Essa é a chance de ressuscitá-los.
A “Recorte Lírico Iluminar” abrangerá alguns gêneros textuais, o que possibilitará a participação de diferentes “tipos” de autores: Os de crônicas, contos e poesia. Nossa proposta é (re)significar o atual cenário da literatura nacional, sem sermos pretensiosos, mas nos parece evidente que é preciso dar voz aos escritores que estão, de fato, pedindo passagem.
Vamos ao que ma…

As Lágrimas de Manolin

Talvez eu só tenha um coração mole — mas, quando Manolin viu as mãos feridas de Santiago em “O velho e o mar”, de Ernest Hamingway, eu e ele choramos juntos. Só fui entender essa minha reação emocional alguns dias depois, quando um professor comparou o livro com o poema “Mar Português”, de Fernando Pessoa. Valeu a pena?
Quando penso no velho Santiago, uma palavra me vem à mente, no idioma nativo de Hemingway: Struggle. É uma palavra que significa tão mais do que sua tradução “lutar”. Nas palavras do dicionário de Cambridge, significa tentar com muito afinco fazer algo incrivelmente difícil. Santiago, para mim, foi a personificação de Struggle até o fim. Mesmo sozinho, ele agarrou a oportunidade que se apresentou a ele e lutou até conquista-la. Conquistando, ele lutou bravamente para mantê-la, mesmo quando os tubarões, aos bandos, destroçaram pouco a pouco tudo aquilo que ele havia conseguido. Ao voltar para casa — uma conquista por si só — com uma carcaça de triunfo e cicatrizes para…

Adélia Prado: Repensando o ser-mulher*

A questão de gênero, que deve ser abordada no âmbito relacional, abrange o conceito de alteridade, já que os “gendramentos” acontecem para atender a uma expectativa que opõe masculino e feminino, a partir de determinados comportamentos. Sônia Missagia de Matos, em seu artigo “Repensando o gênero”, faz referência à teoria de Marilyn Strathern, que associa a alteridade à ativação da sexualidade:
Para uma pessoa encontrar outra do “sexo oposto” significa que o próprio gênero dele ou dela toma uma forma singular. Nessa condição uma pessoa elicita na outra uma forma sexual correspondente. Assim ele é totalmente masculino (all male), ou ela é totalmente feminina (all female) em relação a aquele outro. (MATOS, 1999, p. 51-52, grifo no original)
Porém, quando não há tal ativação, segundo a autora, predomina o estado denominado “cross-sex” (MATOS, 1999, p. 53), que prevê, no mesmo indivíduo, características atribuídas, convencionalmente, ao masculino e ao feminino. Essa relação com o outro é um…

Bob Dylan em discurso do Nobel: canções têm de comover pessoas, não fazer sentido

ESTOCOLMO - O cantor e compositor Bob Dylan, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, disse nesta segunda-feira que, ao contrário da literatura, suas canções sempre foram feitas para serem cantadas, não lidas, e que elas precisam apenas comover as pessoas, não fazer sentido. A decisão da academia sueca de dar o Nobel de Literatura do ano passado para Dylan, que "criou novas expressões poéticas dentro da grande tradição musical americana", foi vista como um tapa na cara de escritores tradicionais de poesia e prosa. Em sua carta para o Nobel, Dylan, notoriamente tímido com a mídia, disse: "Nossas canções são vivas na terra dos vivos. Mas as músicas são diferentes da literatura. Elas são feitas para serem cantadas, não lidas". "Se uma canção te comove, isso é tudo, é isso que importa. Não preciso saber o que uma canção significa. Tenho escrito todo tipo de coisas nas minhas canções. E não vou me preocupar com isso --o que tudo significa", disse ele no discurso d…