Pular para o conteúdo principal

As Lágrimas de Manolin

Talvez eu só tenha um coração mole — mas, quando Manolin viu as mãos feridas de Santiago em “O velho e o mar”, de Ernest Hamingway, eu e ele choramos juntos.
Só fui entender essa minha reação emocional alguns dias depois, quando um professor comparou o livro com o poema “Mar Português”, de Fernando Pessoa.
Valeu a pena?

Quando penso no velho Santiago, uma palavra me vem à mente, no idioma nativo de Hemingway: Struggle. É uma palavra que significa tão mais do que sua tradução “lutar”. Nas palavras do dicionário de Cambridge, significa tentar com muito afinco fazer algo incrivelmente difícil.
Santiago, para mim, foi a personificação de Struggle até o fim. Mesmo sozinho, ele agarrou a oportunidade que se apresentou a ele e lutou até conquista-la. Conquistando, ele lutou bravamente para mantê-la, mesmo quando os tubarões, aos bandos, destroçaram pouco a pouco tudo aquilo que ele havia conseguido. Ao voltar para casa — uma conquista por si só — com uma carcaça de triunfo e cicatrizes para lembrar-lhe do feito, parecia que iria desistir, mas nunca faria isso.
Valeu a pena?
Quantos de nós lutamos bravamente na vida, encarando suas dificuldades, só para ter tubarões invejosos minando nossos triunfos? Quantas vezes você teve suas conquistas transformadas em nada por adversidades que — bem, você deveria estar mais preparado, mas — te pegaram de surpresa? Tudo que sobrou foram cicatrizes e histórias.
Valeu a pena?
Algumas vezes a única coisa que você quer fazer é se arrastar para a cama, deitar de bruços e lamber as feridas. Algumas vezes você só quer desistir — afinal, como você é azarado! Mas — e se na próxima vez você estivesse mais preparado? E se sua faca não tivesse partido? E se você tivesse mais uma lança?
Valeu a pena?
Gosto de pensar no que Manolin estava pensando naquele preciso momento: “Você voltou. Eu pensei que você estava morto, mas você voltou. Como você sofreu... Eu deveria ter ido com você”. Mas no fim, o que fez aquelas lagrimas caírem, acho que não foi nada disso. Foi pura admiração e respeito.... Respeito e orgulho daquele homem que sofreu e suportou. Sofreu e voltou para contar história. Não desistiu. Em nenhum momento. É como diria Fernando Pessoa: “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”. E parafraseando um professor: como a alma de Santiago é grande!
E no fim, toda a luta de Santiago me fez encarar uma palavra de forma completamente diferente — sobreviver. Uma palavra quase sem significado hoje em dia, às vezes até mesmo mal falada — já que sobreviver não é “viver”. Mas, Hamingway, através do Velho e o Mar, me fez ver essa palavra de uma forma completamente diferente: viver além de. Passar pelo sofrimento que se há de passar e continuar. Como diria Santiago: “Um homem pode ser destruído, mas não pode ser derrotado”. Morrer, mas não desistir. E se sobreviver, levantar a cabeça com orgulho e dizer: eu ainda estou aqui.

Ao homem com tal determinação, minhas lágrimas — e as de Manolin.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…