Pular para o conteúdo principal

Recorte Lírico abre concurso e receberá textos para lançamento da primeira edição de revista

Muitos brasileiros acreditam que o nosso país não produz arte como se deveria, ou talvez não na quantidade que merecíamos, se tratando de um país com proporções continentais. O Projeto Recorte Lírico, em função disso e apegando-se aos seus próprios lemas, construiu um espaço singular para se produzir arte, e é com muito orgulho que compartilhamos com todos a chegada da Revista Recorte Lírico, edição: Iluminar.
Os textos podem ser enviados até 21 de julho de 2017. (Imagem: Luiz Prendin)
Esta próxima edição vai reiterar o que o projeto sempre se propôs a fazer: dar luzes aos novos autores, que em sua maioria acaba “matando” os seus textos nas gavetas da vida. Essa é a chance de ressuscitá-los.

A “Recorte Lírico Iluminar” abrangerá alguns gêneros textuais, o que possibilitará a participação de diferentes “tipos” de autores: Os de crônicas, contos e poesia. Nossa proposta é (re)significar o atual cenário da literatura nacional, sem sermos pretensiosos, mas nos parece evidente que é preciso dar voz aos escritores que estão, de fato, pedindo passagem.

Vamos ao que mais interessa, se você é autor de algum dos gêneros citados e tem a originalidade e a confiança de publicar-se, chegou o teu momento.

Escreva-nos no e-mail: revista@recortelirico.com.br

O e-mail deve ter no assunto o nome “conto”, “crônica” ou “poesia”. O arquivo deve ser em doc ou docx, com o título do texto e o texto em si. Não serão aceitos poesias, crônicas ou contos escritos no corpo do e-mail, nesse local você deve colocar uma breve “bio”, com no máximo 500 caracteres.

Caso tenham dúvidas, pode fazê-las aqui mesmo no post.

Abaixo o regulamento por gênero:

Data limite de envio: 21 de julho de 2017
Tamanho por gênero:
Conto: entre 1 e 2 páginas (considerando uma página com 3000 caracteres).
Crônica: 1 página (considerando uma lauda com 3000 caracteres).
Poesia: 1 página (com certa liberdade de criação, porque esse gênero não tem um padrão pré-estabelecido. Mas não deve passar de uma página).
Previsão de lançamento: Setembro de 2017. Os autores publicados serão notificados quando forem escolhidos no concurso e quando a revista for lançada.

Serão selecionados 3 crônicas, 6 contos e 9 poesias (caso seja haicai, pode ser até três poemas por autor). Os autores não serão remunerados, poderão, eventualmente, dissemos EVENTUALMENTE, receber um exemplar da revista, caso tenhamos patrocinadores que estejam dispostos a bancar a impressão. O nosso principal objetivo é dar voz aos seus textos, e isso faremos com afinco. Caso o seu texto não seja publicado na primeira oportunidade, não desista, continue escrevendo e nos enviando. Serão aceitos no concurso até três textos por autor na mesma edição, entretanto somente o mais adequado ao tema será publicado.

Os textos precisam aproximar-se ao tema, isso é critério de desempate, inclusive.

Algumas recomendações: fuja dos clichês, às vezes isso é importantíssimo na hora da decisão de qual texto será publicado. De maneira alguma cometa plágio, isso é ruim para a revista, mas é pior para o autor, que será identificado em cada obra. Por fim, não deixe de enviar o seu texto por considerar que ele não será publicado, você pode e vai se surpreender, pode confiar.

Postagens mais visitadas deste blog

André Malta fala sobre Literatura Grega e a compara com Game of Thrones e Breaking Bad

O Recorte Entrevista dessa semana está clássico! Entrevistamos o professor André Malta (46), que fez estudo sobre o Canto 24 da Ilíada no mestrado, trabalhou em uma interpretação do mesmo poema no doutorado e fez livre docência em 2013 sobre a oralidade em Homero, sempre em Grego Antigo, pela USP. É autor do livro “A selvagem perdição” (a interpretação de Ilíada), de diversos artigos, além de lecionar Língua e Literatura Grega na FFLCH-USP desde 2001. André nos contou um pouco sobre os seus estudos temáticos e comparativos da épica grega, além da atual pesquisa no outro poema de Homero, a Odisseia. O professor ainda fez comparações da literatura clássica com a contemporânea, com uma visão moderna, e opinou sobre a formação de leitores, os best-sellers, entre outros assuntos interessantíssimos, que você, caro leitor, confere agora com exclusividade.
RL – Como o professor é um pesquisador e especialista em Homero, não poderíamos começar com outra pergunta que não fosse a respeito de sua…

Autores da Literatura Brasileira com mais chances de cair no ENEM 2016

O ENEM deste ano acontece nos dias 5 e 6 de novembro e, diferente de outros vestibulares, nesse processo não há uma lista de livros obrigatórios. Isso não quer dizer que não haverá questões sobre Literatura. Muito pelo contrário, a média é de 10 perguntas dessa disciplina a cada edição. Para auxiliar os candidatos nesse vasto universo da literatura nacional, o Stoodi – startup de educação a distância que oferece videoaulas, plano de estudos e monitorias transmitidas ao vivo – preparou uma lista com os 7 escritores brasileiros que mais vezes protagonizaram questões das provas do Enem desde a primeira edição do exame, lembrando que para esta prova a famosa ‘decoreba’ não é uma estratégia eficaz.

1) Carlos Drummond de Andrade – 12 vezes
Sabe aquela frase “No meio do caminho tinha uma pedra”? Então, é dele mesmo: Drummond, um dos grandes modernistas brasileiros. Ele é o autor mais citado pela prova. O “Poema de Sete Faces” e “A Dança e a Alma” já marcaram presença no exame. Uma caracterí…

Traduções da pintura em 'Breve espaço entre cor e sombra', de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA*
Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**
            No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. No capítulo Crianças, o sobrenatural consolida-se com a história de um homem que se vê morto, depois de ter sofrido um acidente de carro. Porém, a morte é revelada ao leitor e ao próprio personagem apenas ao final do texto escrito, o que justifica as situações insólitas vividas pelo protagonista, ao lado de crianças que transitam com desenvoltura entre os distintos mundos da realidade e da imaginação. Essa duplicidade reforça a afirmação que Ariadne faz sobre a pinturaser mais livre que a literatura, no que se refe…